Infelizmente, a cada dia as informações sobre crimes bárbaros parecem apenas aumentar. Os casos de abuso sexual, por exemplo, são alguns dos mais comuns registrados pelas polícias. Mulheres são violentadas diariamente pelos seus companheiros, ou então por quem deveria apenas protegê-las, como os pais. No entanto, os estupros familiares não são feitos apenas com pessoas adultas, mas também com crianças, que tem ainda menos condições de conseguirem produzir a própria defesa. Nessa semana, por exemplo, um abuso sexual acabou acontecendo na Bahia e chocou não somente o estado conhecido pela alegria, mas também todo o país. Isso porque, no crime, quem está sendo acusado de violentar uma menina é um pastor evangélico.

O homem, identificado como Isaías Arcanjo, teria sequestrado a filha de uma fiel, a qual ele era muito amigo.

Publicidade
Publicidade

Isaías vivia na casa da família que frequentava a igreja e teria se aproveitado dessa confiança para roubar a garota. O #Crime aconteceu na idade de Camaçari, que fica na região metropolitana de Salvador. Após o sequestro, a menina teria ficado sumida por mais de 40 dias. Durante esse tempo, o pastor a teria estuprado constantemente. A menina foi dada como desaparecida ainda em dezembro. A família dela nem pôde passar o Natal com ela. O caso foi noticiado pelo site 'Correio 24 Horas' e repercutiu amplamente nas redes sociais. "Meu Deus, como podem usar o nome do senhor para fazer uma barbaridade dessas", disse um internauta.

Isaías tem apenas vinte e nove anos e é líder de uma igreja evangélica. A criança que ele sequestrou tem apenas doze anos. A menina teria confirmado que se relacionou sexualmente com o pastor.

Publicidade

Ela foi encontrada em uma fazenda com ele. De acordo com a delegada que investiga o caso, Danille Monteiro, o pastor se aproveitou da confiança da menina para convencê-la a fazer sexo. Os primeiros encontros dois dois foram no culto. O homem nega o abuso e diz que apenas estava com a menina passando férias escolares com ele. Ele não explicou, no entanto, o fato de não ter avisado à família sobre essa "viagem de férias". #Investigação Criminal