Para colocar mais lenha na fogueira que mostra o descontrole do Estado nos presídios brasileiros, começou a circular no aplicativo WhatsApp e nas redes sociais um texto atribuído à cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital), na região Norte.

A “nota” avisa que o extermínio da facção criminosa rival, a Família do Norte (FDN), vai começar. O recado lembra que o PCC não está sozinho, pois tem ramificações e em outros países e apoio de vários outros grupos do #Crime organizado.

No suposto comunicado, o PCC faz menção à luta contra o Estado, e termina com a saudação que se tornou conhecida entre os soldados do bloco criminoso: ‘Paz, Justiça e Liberdade’.

Publicidade
Publicidade

O texto começa lembrando a indignação diante dos 28 membros do PCC abatidos no último domingo, em Manaus. Na ocasião, morreram 56 detentos no total. Bem redigida, a nota ainda ressalta o ‘sentimento de pesar’ direcionado aos familiares das vítimas.

Depois, a redação frisa que membros da facção e de grupos irmãos em território nacional e no exterior iniciaram as mobilizações para responder à altura aos ataques da FDN.

Reafirmam que o Primeiro Comando se diferencia por não ter atuação regional e, sim, nacional e até internacional. Lembram que houve paz entre as facções por longo período devido ao alvo principal ser o Estado. Deixam claro que a paz acabou e que a FDN terá de guerrear com membros de outros grupos apoiadores do PCC, tais como ADA e Bonde dos 40 e ainda os históricos adversários CVRL, CRBC, TCC entre outros, cujo o apoio foi demonstrado após o episódio de 1º de janeiro.

Publicidade

A carta usa ainda a expressão “dizimada” para traduzir o que está sendo prometido contra a Família do Norte.

Finaliza dizendo que os 28 soldados do PCC serão vingados e que a bandeira da FDN será queimada diante a cabeça dos rivais executados. E lembra que a organização criminosa está se encarregando de “indenizar” as famílias dos mortos.

A Polícia Civil de São Paulo está investigando o conteúdo da mensagem. Nesta madrugada, pelo menos 33 presos, supostamente pertencentes à FDN, foram mortos na Penitenciária Rural Monte Cristo, em Roraima. A chacina teria sido a primeira das vinganças prometidas pelo PCC. As autoridades não confirmam e sequer divulgaram os nomes dos assassinados.

#Casos de polícia