De acordo com o site 'Paraíba Online', um dos grupos criminosos mais conhecidos do Brasil, o Primeiro Comando da Capital (PCC), que age na maior cidade do país, São Paulo, teria divulgado uma espécie de nota oficial, na qual fala sobre a rebelião que aconteceu nos presídios do Amazonas e no de Roraima. Em Manaus, 56 presos foram brutalmente assassinados. O governo de Roraima fala em 30 ou mais mortos no estado, mas diz que a situação foi controlada. Na nota do PCC, ele diz que continuará a promover o terror no Norte do país e que exterminará sua facção rival, conhecida como FDN, a Família do Norte.

A volta do terror nos presídios brasileiros virou objeto de reportagem de vários sites estrangeiros.

Publicidade
Publicidade

No entanto, essa é a primeira vez que o PCC deixa claro que teria certa participação nas mortes em Manaus. Nas duas rebeliões, os presidiários foram mortos de maneira bárbara, com métodos como decapitação e até corações arrancados. O fato dos corpos estarem esquartejados dificulta o trabalho do Instituto Médico Legal (IML), que sequer teve espaço nos primeiros dias para receber tantos cadáveres, o que obrigou o governo local a emprestar um caminhão frigorífico, que antes servia para levar a merenda de crianças.

Na nota que teria sido atribuída ao PCC e que pode ser vista ao final dessa reportagem, o grupo que já aterrorizou São Paulo, diz que nenhum membro da FDN ficará vivo. Além disso, os criminoso da maior cidade do país dizem que tem elos em todo o mundo. Suspeita-se que até mesmo as Farcs da Colômbia possam ter algum apoio no que aconteceu no Amazonas.

Publicidade

A mensagem tem colocado pânico em muitas pessoas, que não acreditam muito na mensagem do estado, que garante já ter conseguido controlar toda a situação. A FDN, segundo a nota do PCC, teria matado 28 membros do grupo.

Segundo o site Paraíba Online, a polícia civil de São Paulo investiga até que ponto essa nota pode ou não ter sido escrita por um membro do PCC

Veja o texto que seria do PCC abaixo. Na sua opinião, há motivos para nos preocuparmos?

#Crime