Crimes de abuso sexuais são muito comuns. Mesmo em tempos como hoje, abusadores agem com força e caso os pais não deem a devida atenção, até mesmo seus filhos podem ser vítimas do abuso. Infelizmente, com o advento da internet, muitos estupradores fazem o meio de campo com a vítima, em sites como o Facebook. Eles viram amigo da criança e logo ganham a confiança delas, que não desconfiam do que pode acontecer. Foi isso o que aconteceu com uma criança de dez anos, em Olinda, Pernambuco. Preservaremos os nomes dos envolvidos no caso, já que o tudo é recente e a justiça é quem dará o veredito de quem é ou não culpado.

No entanto, segundo a mãe da criança, um homem, que chamaremos de Márcio (nome fictício), estaria entrando em contato com a criança constantemente.

Publicidade
Publicidade

Ele, inicialmente, puxava papo falando de coisas triviais, como programas de televisão. Em seguida, o homem, que já é um senhor de idade, passou a enviar "cantadas" para a garotinha. Ele chegava a dizer "fiu fiu" para a menina, mostrando claramente sua tendência criminosa. Através do computador, o homem mandava suas ordens e se sentia seguro, talvez acreditando que jamais seria pego. A mãe da criança, mesmo atenta, no entanto, em um dia acabou tendo a terrível surpresa de ver sua filha assediada. Ela então decidiu reagir e sua reação chocou muita gente.

Isso porque a mulher decidiu ela mesma tentar acabar com o comportamento do senhor. A mãe da criança publicou todas as mensagens na internet e expôs o senhor. Não há uma denúncia encaminhada à justiça local com o nome do suspeito. No entanto, não é possível saber ao certo se a mãe foi ou não à uma delegacia e fez uma queixa do caso.

Publicidade

Em uma busca pelo perfil do homem citado, não encontramos um usuário que corresponda ao homem apontado.

Lembramos que é preciso sempre ter muito cuidado antes de expôr as pessoas, até mesmo quando tudo parece muito claro. Por isso, preferimos expôr apenas as mensagens ditas nos prints exibidos pela mãe. O que você faria se fosse ela? Comente! #Crime #Investigação Criminal