Nesta quarta-feira, 11, a coluna 'Radar', da Revista Veja, publicou uma matéria que fala sobre a atuação de Fernandinho Beira-Mar na violência nacional. Em meio às rebeliões que produziram uma carnificina em estados como Roraima e Amazonas, a história do criminoso mais famoso do país ganha a tônica. A coluna fala sobre um plano de um dos manda-chuva do Primeiro Comando da Capital (PCC), Williams Herbas Camacho, conhecido como Marcola, que quis tirar Beira-Mar do presídio Presidente Venceslau. O episódio aconteceu no ano de 2013, em São Paulo, quando Marcola tentou tirar o ex-chefe do tráfico no Rio de Janeiro da prisão com o auxílio de um helicóptero.

Felizmente, a ação cinematográfica não deu tão certo.

Publicidade
Publicidade

Antes de ser colocada em prática, investigadores da Polícia Civil tiveram acesso a esse plano, por meio de fontes. A constatação de que bandidos não tem o menor respeito pela sociedade e pelo estado, portanto, são mais velhas do que a fome ou a vontade de comer. O plano de Marcola, no entanto, não era original. A ação com o helicóptero de 2013 seria apenas a segunda grande tentativa de Beira-Mar deixar a cabeça.

Nesta quarta-feira, o Ministério da Justiça divulgou informações que falam sobre o plano de Fernandinho, que começou a acontecer ainda em 2011. A ideia do carioca, na verdade, era que o helicóptero o resgatasse de um dos presídios de segurança mais forte do Brasil, a Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Catanduvas, no estado do Paraná.

Naquele mesmo ano, temendo que o plano do líder do Comando Vermelho desse certo, a justiça decidiu transferir Fernandinho para Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Publicidade

As autoridades revelam, no entanto, que o temor de que ele realmente fosse resgatado no Paraná era tão forte que o Nordeste foi escolhido por ser bem longe do estado. Além disso, no dia da transferência, nem mesmo grandes postos da Polícia Militar e da Polícia Civil ficaram sabendo da transferência, evitando assim, que uma possível peça do quebra-cabeça colocasse tudo a perder. #Crime #Investigação Criminal