A equipe de inteligência da Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) do Governo de Alagoas está investigando um material em áudio que circula nas redes sociais desde este sábado (8). O conteúdo sonoro seria atribuído a um membro do alto comando do PCC.

A facção criminosa estaria se preparando para armar seus “soldados” em presídios do Nordeste. A voz do suposto membro da facção criminosa seria de outro estado. Ele pede para os integrantes “irmãos” que estão nas unidades prisionais Baldomero Cavalcanti e Cyridião Durval comecem a se armar.

“A hora que tiver todos os irmão armados, dá um salve aqui (sic)”.

Publicidade
Publicidade

E o homem ainda diz: “Tô pegando um aplicativo e agente vai ficar em comunicação 24 horas tá filhote. Vê aí o que você faz aí. Arma todo mundo, fazendo favor. Aí dentro do Cyridião e do Boldomero (sic)”.

No fim da mensagem, o suposto líder do PCC envia um abraço aos companheiros em nome da “ordem”, identificada como facção criminosa.

O conteúdo já foi encaminhado para o Ministério da Justiça e Cidadania e outros setores de inteligência de âmbito federal. O objetivo das autoridades é analisar a sonora para tentar identificar a veracidade do material e de onde ele teria partido.

As autoridades ainda não sabem dizer se a mensagem foi produzida antes ou após os episódios que geraram mais quase 90 mortos nas unidades prisionais amazonense e roraimense, ocorridos na última semana.

Em virtude das penitenciárias estaduais estarem sob alerta máximo para coibir novas mortes e rebeliões, o áudio está sendo encarado como uma ameaça em potencial, mesmo que não se consiga obter a confirmação de sua autenticidade.

Publicidade

O secretário de Ressocialização e Inclusão Social, tenente-coronel Marcos Sérgio Freitas, afirmou que é muito provável que a gravação tenha sido feita de fora do sistema prisional, mas que ainda não foi possível saber em que data foi veiculado pela primeira vez.

Em entrevista à imprensa, Freitas ressaltou que por enquanto não há riscos de prejuízos nos dois presídios citados e que o sistema carcerário alagoano está todo no chamado alerta amarelo. Por meio deste sistema, as autoridades mantêm um reforço maior de policiais militares na área externa das unidades, bem como um trabalho mais profundo de inteligência e de segurança no interior das prisões.

#Crime #Casos de polícia