Os animais estavam amontoados em uma loja em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Os agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), chegaram ao local para resgatar os animais que viviam em condições muito precárias, sem higiene, pouca comida, um local quente sem ventilação, os animais não tinham água limpa disponível, animais vivos convivendo com carcaças, todos amontoados num mesmo espaço.

Entre os animais resgatados estavam coelhos, galinhas e cabras, eram cerca de 500 animais num espaço muito pequeno. Algumas galinhas estavam misturadas a coelhos vivos e mortos. Foi encontrada também galinha morta junto com animais vivos.

Publicidade
Publicidade

Outro caso que chamou bastante atenção dos agentes foi o de uma galinha que estava com uma corda amarrada no pé, que já estava quase necrosando.

Os animais estavam ofegantes por causa do calor no espaço que não possuía boa ventilação, em uma cidade quente como o Rio de Janeiro. Alguns estavam desfalecendo por não suportar o alto grau de temperatura no local.

De acordo com agentes que fizeram o resgate dos animais, os galos mal conseguiam ficar em pé por falta de espaço, enquanto as cabras e bodes tinham que ficar em cima dos comedouros por falta de espaço. Os animais também estavam muito assustados.

Os animais eram comercializados principalmente para rituais religiosos, e mesmo vivendo em condições tão precárias muitos tão eram usados para alimentação de consumo humano.

Um vídeo feito na hora em que os agentes chegaram ao local mostra as condições em que os animais foram encontrados, nas imagens dá para ver claramente o quanto as galinhas estavam ofegantes e algumas passando mal.

Publicidade

O pouco espaço que tinham que compartilhar, muitos estavam deitados tumulados no local.

A DPMA chegou ao local através de uma denúncia anônima, o proprietário da loja de nome fantasia ‘Toca dos Bichos’, Cristiano de Azevedo Fernandes, poderá cumprir pena de 3 meses a 1 anos de reclusão, por ter cometido #Crime ambiental. Os animais resgatados foram levados para santuários onde passarão por uma avaliação veterinária e viver em um espaço digno para sua existência.

#Casos de polícia