Nesta sexta-feira, 20, os presos decidiram dar uma "parada" na Rebelião que acontece na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, para realizar uma oração a Deus. A assembleia, que envolveu dezenas de detentos, foi um culto evangélico. Eles até entoaram músicas gospeis conhecidas. A assembleia aconteceu depois de seis dias de rebelião, nos quais dezenas de pessoas foram mortas de maneira bárbara. A maneira como os detentos foram assassinados impressiona. Eles tiveram também, em grande parte, corpos mutilados.

A barbárie foi tão grande que chamou a atenção de todo o planeta. Jornais e canais de TV de todo o mundo deram destaque ao que aconteceu e citaram o fato de que o Brasil não está conseguindo controlar os seus próprios detentos, que hoje chegam a 700 mil, sendo uma das maiores populações carcerárias do mundo.

Publicidade
Publicidade

O que espanta no vídeo é que os presos tem caixas de som, cadeiras de plástico, microfones e até um púlpito. As cenas são inacreditáveis.

Nas cenas, muita coisa chama a atenção. Alguns presos parecem estar emocionados por conta da oração. Eles não estavam assim, no entanto, há algumas semanas. Vídeos deles cortando cabeças e pedaços de corpos viralizaram na web. Eles são muito fortes e não podem ser publicados. Contanto todos os mortes das rebeliões, mais de cem pessoas já foram assassinados. O maior número de assassinatos aconteceu no estado do Amazonas, onde mais de sessenta pessoas perderam suas vidas. A maior barbárie aconteceu, no entanto, em 1992, quando 111 pessoas foram mortas no Carandiru.

Na sua opinião, o que deve ser feito para tentar corrigir o problema dos presos no Brasil? Apenas a falta de investimento explicaria, por exemplo, o fato dos detentos terem armas, geladeira, celulares e até ar condicionados na cadeia? Não esqueça de deixar o seu comentário.

Publicidade

A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda a fazer o diálogo a respeito do tema. Veja abaixo o vídeo que mostra os presos fazendo algumas orações após promover a matança:

#Crime #Investigação Criminal