No último fim de semana, uma criança de 2anos foi morta enquanto brincava em um brinquedo de um restaurante de fast food famoso no Rio de Janeiro. A menina foi vítima de uma bala perdida. O crime chocou não só os cariocas, mas também o Brasil todo, uma vez que a notícia repercutiu em todo o país.

A dor dos pais, sendo que o pai da vítima é um policial militar, foi comentada pela professora de História da rede estadual de ensino Denise Oliveira através de seu perfil no #Facebook. Ela disse que a criança morreu graças à justiça divina e aos que criticaram sua publicação foi irônica, dizendo que Deus já havia feito a parte dele e que agora só restavam as pessoas reclamarem.

Publicidade
Publicidade

Denise fez o comentário de mau gosto por achar que o pai da menina era um dos policiais envolvidos na morte de cinco pessoas ocorrida em 2015. Mas estava errada, o policial não atuava no batalhão envolvido nas mortes em Costa Barros.

Prints da publicação de Denise logo chegaram à imprensa e ela recebeu centenas de críticas. Por medo das ameaças e consequências de seu ato, a professora cancelou o seu perfil no Facebook. Ela usou um outro meio para avisar que não pretende reativar a sua conta na rede social e que não entende porque as pessoas estão dando tanta atenção para seu post.

A Secretaria Estadual de Educação do Rio tomou conhecimento da atitude da professora e avisou, em nota, que já orientou a direção da escola em que Denise leciona para que não a aloque em nenhuma turma nas próximas semanas, uma vez que os professores estão prestes a definir suas turmas para o início das aulas, em fevereiro.

Publicidade

A Secretaria de Educação também informou que Denise ficará afastada do cargo até que uma sindicância seja realizada. Por ser funcionária pública, Denise não pode ser demitida como ocorre em empresas.

É necessário que ela, ou qualquer outro servidor em condição de demissão, passe por uma sindicância interna, também chamada de processo administrativo, onde é investigada e julgada, com direito a ampla defesa. Se os julgadores entenderem que sua conduta é incompatível com sua profissão, pode ser exonerada. Caso sua punição seja mais branda, ela pode ficar suspensa ou ter que trabalhar alguns dias ou semanas sem salário. #Viral #Crime