Uma professora chamada Denise Oliveira escreveu em uma postagem de pesar da família que recentemente perdeu sua filha, Sofia Lara, de 2 anos, vítima de #bala perdida, que fato foi "justiça divina".

Os pais da menina procuraram a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) para saberem o que é possível ser feito contra a professora. Em outro comentário, a professora também "lembra" que policiais do batalhão no qual o policial Felipe Nunes, pai da criança Sofia Lara, pertence (41 Batalhão de Irajá) mataram 5 pessoas numa comemoração de primeiro salário. Relata que uma das mães da vítima do suposto Batalhão morreu de depressão ao saber que nenhum policial seria condenado pelo #Crime.

Publicidade
Publicidade

Denise credita a morte da filha do policial a este fato, que seria uma "justiça de Deus".

Hérica Fernandes, a mãe está inconsolável com a morte, alega que ficou mais abalada com esse comentário. "Essa mulher nos agrediu moralmente". Complementa dizendo que a filha era um anjo de apenas 2 aninhos.

Ainda segundo Érica, Denise enviou uma mensagem de desculpas, dizendo que não avaliou a dor da mãe, por não sê-la. Mas Érica não aceitou e quer que ela pague na Justiça. O pai diz que ela denegriu a imagem da corporação e quer também justiça contra a professora.

O caso fez inclusive uma jornalista âncora do RJ/TV chorar ao vivo quando noticiava.

Esclarecendo os fatos:

Sofia Lara, de 2 anos, morreu quando brincava em um parquinho, por uma bala perdida disparada na tentativa de captura de um suspeito de roubo de carro.

Publicidade

O pai da menina não integra o batalhão que foi indicado pela professora e nem é acusado deste crime. Os PMs que respondem ao caso estão presos, segundo Érica

A professora tirou seu perfil do ar.

A professora fez outras agressões conforme as fotos abaixo.

A Secretaria Estadual de Educação informou que abrirá sindicância para apurar a conduta da funcionária Denise Oliveira. Denise não poderá retornar ao trabalho até que a sindicância seja concluída.

A professora em nota disse que não quis ofender a garotinha morta, apenas uma analogia entre as famílias que foram destruídas pela violência. Afirma que não tinha a intenção de ofender e ainda disse estar assustada pelas pessoas não saberem interpretar um simples texto.

#Religião