Houve #Rebelião neste sábado (14), por volta das 16h no maior presídio do estado do Rio Grande do Norte, a Penitenciária Estadual de Alcaçus, localizada na Grande Natal.

Segundo o major Eduardo Franco, os presos do pavilhão 3 e 5 invadiram o pavilhão 4 onde ficam os internos de uma facção criminosa rival. De acordo a administração da penitenciária, é uma rebelião de “grandes proporções”.

Segundo Zemilton Silva, coordenador da administração penitenciária, ainda não há a confirmação se os detentos de outros pavilhões haviam se rebelado também. Até o momento, ainda não há nenhuma confirmação sobre a fuga de presos.

O #Presídio Rogério Coutinho Madruga, onde fica o pavilhão 5, é anexo à Alcaçuz, em Nísia Floresta.

Publicidade
Publicidade

Os detentos de facções criminosas ficam separados entre os dois presídios.

Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc), a penitenciária de Alcaçuz contém 1150 detentos e sua capacidade é para apenas 620 presos.

Uma repórter da Inter TV Cabugi, que acompanha a rebelião na área externa da penitenciária de Alcaçuz, informou que há muita fumaça dentro do presídio, assim como barulhos de tiros e muito quebra-quebra.

Outras rebeliões

Já houve rebelião nesse mesmo presídio registrada em novembro de 2015 e no passado.

Em 2015, foi registrado muito quebra-quebra quando foi descoberto que presos escavaram túneis. O secretário de Justiça até então, Cristiano Feitosa, afirmou que nesse mês, “por volta das 15h os presos se amotinaram”. Já no ano de 2016, cerca de 114 presos fugiram de Alcaçuz.

Publicidade

As fugas ocorreram através de túneis que eles escavaram dentro dos pavilhões e por buracos que fizeram nos pés dos muros. Isso acontecia sempre que uma guarita estava desativada ou sem nenhuma vigilância.

Amazonas e Acre

Nesta semana (12), o setor de inteligência do Acre e do Amazonas apontaram os presos líderes de facções criminosas que foram transferidos para a penitenciária federal de Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte. Foram transferidos 19 presos para o presídio potiguar, 14 detentos da região do Acre e 5 do Amazonas.

#Brasil