Assim como o prometido, presos estão fazendo mais uma rebelião em um presídio brasileiro. A informação foi dada com destaque pelo site da Revista Veja neste sábado, 14. Até o início da noite, a rebelião, que acontece na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no estado do Rio Grande do Norte, ainda não havia acabado. Em diversos vídeos que circulam na internet, presos garantem que as rebeliões não vão acabar e que vão até invadir as casas dos cidadãos. As autoridades brasileiras garantem que tudo está sob o controle, mas novamente a notícia se repete.

Assim como os demais acontecimentos do tipo, que marcaram o início ano no Brasil, como a rebelião do Amazonas, há mortos e cenas de barbárie em diversas partes no Rio Grande do orte.

Publicidade
Publicidade

Apesar de confirmar que existem cadáveres expostos na penitenciária, a secretaria de segurança do estado não diz quantos foram assassinados. O Estadão, extraoficialmente, ouviu que o número seria de pelo menos dez falecidos.

A rebelião acontece no município de Nísia Floresta, que faz fronteira com a capital do Rio Grande do Norte, Natal. A cadeia onde novas cenas de barbárie acontecem tem capacidade para 620 presos, mas hospeda quase o dobro disso, 1.150. Essa é uma situação recorrente em todo o país. Vima Batista, Presidente do Sindicatos dos Agentes Penitenciários do estado onde a rebelião acontece, conversou com o site da Revista Veja. Ela diz que há sim mortos, mas que os números estão muito divergentes. Por isso, vai esperar mais um pouco para trazer essa contagem.

Clima de tensão continua

O novo motim em um presídio brasileiro começou por volta das quatro e meia da tarde.

Publicidade

As autoridades locais tentam controlar os ânimos no local, mas ainda não teria existido acordo ou invasão. Atualmente, as forças policiais evitam entrar em cadeias com o "clima quente", a fim de evitar o que aconteceu no 'Carandiru', em São Paulo. Em 1992, 111 presos foram mortos em um motim na penitenciária paulista. Os policiais foram acusados de assassinar boa parte dos mortos.

Veja abaixo o vídeo que mostra uma reportagem do 'Jornal Nacional' sobre o tema:

#Crime #Investigação Criminal