Vinte e seis presos morreram na rebelião da Penitenciária de Alcaçuz que já é a mais violenta da história do Rio Grande do Norte. A informação foi confirmada pelo Governo do Estado. Inicialmente, o governo chegou a falar que o número de falecidos no embate era de 27, mas depois alterou esse número. A dificuldade em se chegar ao número certo é devida ao estado em que se encontram os corpos. A maioria do cadáveres está cortada em pedaços, ou decapitados, o que dificulta o trabalho do Instituto de Perícia. O motim na penitenciária começou no sábado, 14, durando mais de 14 horas.

A barbaridade na penitenciária do Rio Grande do Norte teve destaque na imprensa internacional.

Publicidade
Publicidade

Ela se soma a outras rebeliões, que somadas já ultrapassam as 100 mortes. Até hoje, o maior motim com mortos em uma única prisão continua a ser o do Carandiru, em 1992, quando 111 presos morreram.

Imagens que rodaram nas redes sociais

A sequência mostra os prisioneiros com diversos tipos de armas improvisadas nas mãos, com machadinhas, além de estarem com drogas. Todos esses itens, segundo a legislação, não deveriam estar dentro de uma unidade prisional. Para completar o delito, eles ainda aparecem fumando o que parece ser maconha. Apesar das imagens não mostrarem nenhum tipo de agressão explícita, elas podem ser consideradas fortes para algumas pessoas.

De acordo com os próprios prisioneiros, ele seria morto em seguida. Nas imagens, o homem está amarrado em um colchonete, que provavelmente foi logo depois incendiado.

Publicidade

Na sequência, o detento, apesar de aparentar cansaço, chega a se mexer algumas vezes, mostrando que ainda estava vivo quando tudo aconteceu. Veja abaixo o vídeo que mostra o prisioneiro sendo ameaçado no que seria a penitenciária onde houve a rebelião do Rio Grande do Norte.

Na sua opinião, o que deve ser feito para que os presídios brasileiros voltem à uma situação de controle? Não esqueça de deixar seu comentário. A sua opinião é sempre importante e ajuda a criar um diálogo a respeito deste e de outros temas. #Crime