A morte do jovem Itaberli Lozano, de dezessete anos, que ocorreu no fim do ano passado, começou a ter uma reviravolta em sua investigação. Até então, a própria mãe dele, Tatiana Ferreira, de trinta e dois anos, era a única suspeita, mas isso mudou. Agora há várias linhas de investigação. Tudo começou a mudar graças à uma suspeita carta psicografada, divulgada pela prima do rapaz. Nela, Itaberli diz que sua mãe o humilhou na frente de outras pessoas antes de matá-lo. Ainda assim, a suposta mensagem enviada do além por Itaberli diz que ele perdoa Tatiana. A polícia avisa que a mãe dele, no entanto, não teria possuído nenhum tipo de arrependimento.

Publicidade
Publicidade

O relacionamento dos dois era muito conturbado. Ela teria esfaqueado o filho no pescoço e depois pediu a ajuda do marido, que teria enrolado o cadáver em um colchão e o carregado até um canavial. Antes de ser jogado no local, a mãe teria ateado fogo no corpo sem vida. O problema foi que novas pessoas surgiram. Um deles é uma menina, de quinze anos, e dois outros rapazes, de 19 e 18 anos. Um identificado como Victor Roberto e o outro Miller da Silva. A ideia da mãe, inicialmente, segundo os jovens, era dar uma surra no filho. O homossexual supostamente fazia constantes ameaças à mãe e também se recusava sair de casa.

Quem teria intermediado o contrato foi uma menor de idade, que já teria solicitado um emprego no mercado em que Tatiana trabalhava como gerente. A mãe diz que os rapazes mataram o filho, enquanto ela estava do lado de fora, sem o seu consentimento.

Publicidade

Eles dizem que ela mesmo, muito irritada, pegou uma faca e aproveitou que o filho estava fraco, por tanto apanhar, e apunhalou no seu pescoço. De qualquer forma, agora pelo menos cinco pessoas são investigadas pela morte do rapaz. Nenhum deles cita a homossexualidade de Itaberly como um problema.

Os três novos envolvidos, por exemplo, sequer tinham convívio com o rapaz. Grupos LGBTs, no entanto, dizem que a fúria da mãe teria iniciado a partir do momento que o jovem levava homens para casa. #Crime #Investigação Criminal