Jonathan Gomes Higino é o nome do sujeito que tentou matar o fundador e líder da Igreja Mundial do Poder de Deus. Jonathan tem 20 anos e foi à igreja onde o pastor Valdemiro Santiago estava. Durante a realização de um culto, ele tentou matá-lo com uma enorme faca, acertando três golpes em seu pescoço. Valdemiro foi levado de ambulância para o hospital, onde precisou ser submetido a uma cirurgia e levou 20 pontos. O criminoso foi preso e já prestou depoimento no 8º Distrito Policial, no Brás, e contou que no mês de julho de 2015, durante um culto, o pastou chegou a provocá-lo.

"Vamos crucificar ele", teria dito Valdemiro ao rapaz que trabalha de ajudante geral.

Publicidade
Publicidade

O acusado contou que a faca utilizada no crime, que mede cerca de 35 centímetros, foi conseguida há duas semanas no quintal de uma residência. Agora, o ajudante geral irá responder por tentativa de homicídio

Valdemiro Santiago está hospitalizado, mas já não corre risco de morrer, porém, não há previsão de alta médica. Do hospital, o pastor gravou um vídeo tranquilizando os fiéis e disse que o homem que tentou matá-lo estava perdoado.

No vídeo abaixo você pode ver que um pastor estava coordenando o culto e Valdemiro estava bem próximo, quando sofreu o #Atentado. Quando o sujeito acertou as três facadas em Valdemiro, os seguranças logo entraram em ação e o pastor parou a pregação e foi ver o que tinha acontecido. Ao ver o fundador da igreja todo ensanguentado, ficou chocado e repetiu por várias vezes: "Meu Deus, meu Deus".

Publicidade

Os seguranças logo correram para deter o sujeito e o pastor pediu para que a banda tocasse uma música, para se informar sobre o que tinha acontecido.

Depois de tudo resolvido e Valdemiro já encaminhado para o hospital, ele voltou a conversar com os fiéis e contou o que tinha acontecido, veja:

O pastor diz aos fiéis que tentaram cortar o pescoço de Valdemiro com um facão e o sangue jorrou. Em seguida, o pastor pede a todos para orarem porque o diabo está revoltado. Nesse momento, muitos fiéis começaram a chorar. #Violência #Casos de polícia