Nesta quinta-feira, 26, o Brasil acordou com os principais canais do país transmitindo a procura da polícia federal Eike Batista. Ele foi alvo de uma mandado de prisão e é acusado de participar de um esquema de corrupção que teria movimentado - pelo menos - R$ 100 milhões. A prisão ocorreu após uma intensa investigação, que teve início ainda na Lava Jato, principal operação contra a corrupção no Brasil. No entanto, Eike não estaria no Brasil. O empresário, que chegou a ser um dos homens mais ricos do mundo, teria viajado para a Alemanha, pois tem passaporte do país da Europa. A polícia federal diz que ele está foragido. No entanto, o advogado de Batista garante que ele se apresentará, assim que achar oportuno.

De acordo com informações da coluna Radar, publicada no site da Revista Veja, o ex-homem mais rico do país, durante muitas entrevistas, teria se declarado sem um curso superior.

Publicidade
Publicidade

Demonstrando imensa vaidade, o empresário sempre teve uma dose de orgulho de tal fato. Isso porque, o fato de não ter estudado, mas mesmo assim ser um empresário de sucesso, demonstraria ainda mais seu talento e tino para os negócios. Não imaginava o empreendedor que, até a revista Forbes, que o listou como uma dos homens mais ricos do planeta, tiraria o seu nome dos registros antigos, alegando que todo o dinheiro de Batista corre o risco de estar relacionado com irregularidades e aí se entende e compreende, é claro, os esquemas criminosos que envolvem a corrupção.

Batista não teria diploma de curso universitário. A informação está presente, inclusive, no livro 'O X da questão', obra escrita pelo jornalista Roberto d'Ávida, em 2011, quando Eike era um homem super admirado pelos brasileiros e pelo mundo, já que fez fortuna nos mais vários empreendimento.

Publicidade

No livro do jornalista conhecido por fazer entrevistas para a televisão, Eike conta ter estudado engenharia metalúrgica na Universidade de Aachen, na Alemanha. No entanto, ele acabou desistindo do curso. Caso isso for comprovado, ele pode ser preso com presos comuns, como assaltantes e estupradores. #Crime