De acordo com informações do jornal 'Extra', em reportagem publicada neste domingo, 28, um policial militar do Rio de Janeiro, transmitiu o próprio suicídio na madrugada através do Facebook. O vídeo exibido ao vivo mostrou o homem dando um tiro na própria cabeça. Crimes desse tipo, infelizmente, estão se tornando cada vez mais comuns, o que está fazendo a rede social apagar os vídeos que mostram as ações. O homem foi identificado como Soldado Douglas de Jesus Vieira. Ele tinha apenas vinte e oito anos, seis deles dedicados à PM de Queimados, na Baixada Fluminense. O vídeo da morte foi realizado na casa do soldado, que fica no bairro de Brás de Pina. A transmissão, é claro, chocou todo o estado.

O homem, antes de se matar, disse que estava frustrado por não receber seu salário.

Publicidade
Publicidade

Essa é uma das mais graves crises já vividas pela corporação e pelo estado. Não é só a polícia que sofre com os pagamentos atrasados. Bombeiros chegaram a ficar até sem o dinheiro da passagem e a Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a Uerj, está há meses sem ter aulas, sem a menor perspectiva de volta. Há poucos dias antes da morte, Douglas usou o Facebook para dizer que passa por momentos difíceis e que suas contas iriam vencer.

Em entrevista ao site Extra, Clenilson Cruz, padrinho do rapaz, diz que podem existir outros motivos para que o homem tenha cometido o ato de tirar a própria vida. Nos últimos dias, ele estaria muito triste, pois estava se divorciando. Para ter dinheiro para a sobrevivência, o soldado estava trabalhando dobrado e com isso seu estresse estava elevado. O padrinho disse que estava ainda mais triste, pois o policial teria o chamado para sair e ele não aceitou o passeio.

Publicidade

"Só o Douglas mesmo sabia o que teria motivado esta tragédia. Ele era um cara que gostava de curtir a vida. Não consegui até agora entender o que aconteceu", explicou ele.

A polícia agora investiga o que pode ter feito o homem transmitir a própria morte na internet. Na sua opinião, como pode ser resolvida a crise no Rio? Comente! #Crime