Um vídeo onde diversos homens armados e com os rostos cobertos está circulando nas redes sociais desde a última quinta-feira (19), como uma suposta resposta da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) à guerra que acontece nos presídios e que está se espalhando pelas ruas, especialmente no Rio Grande do Norte.

São quase três minutos em que um meliante lê um texto com o auxílio de um celular.

Nenhuma autoridade confirmou que se trata mesmo do PCC, mas as imagens certamente já estão em poder dos setores de inteligência que atuam para tentar acabar com a crise no sistema prisional.

Veja o que diz o recado, na íntegra:

“A facção mais organizada do Brasil.

Publicidade
Publicidade

Somos criminosos, não moleques. Nosso intuito sempre foi preservar a vida. Inclusive, todas as direções sabem que somos dotados de disciplina e temos hierarquia a seguir. E somos espelhos a serem seguidos.

Lembrando que, inclusive, existem vários pedidos protocolados que se encontram (documentos em anexo) na mão dos secretários de segurança do estado e do sistema prisional, que não quis nos separar (sic).

Já éramos para estar separados desde o último confronto, ocorrido em Caicó, onde os pavilhões do sindicato A, B e C tentaram, de forma orquestrada, invadir o pavilhão dos nossos irmãos. Era o pavilhão E, porém não tiveram êxito. No último sábado, na da data do dia 14/01/2017, os integrantes da facção do Sindicato do RN teriam ameaçado nossos irmãos do Pavilhão 5 ,com armas de fogo, porém os funcionários nada fez para conter (sic).

Publicidade

Onde quando nossas visitas foi saindo da unidade, ao término da visita, nossos familiares foram alvejados por munições disparadas pelo Sindicato do RN e isso teria nos deixado revoltados, ao ponto de não mais suportar isso que vinha ocorrendo (sic).

Somos duas facções em guerra. Mas a guerra é nossa e não dos nossos familiares. Não admitiremos mais ser oprimidos e estamos preparados no sistema e nas ruas. Se mexerem com nossos familiares, responderemos à altura. E da mesma forma queremos deixar a sociedade tranquila, pois o PCC não admite badernas, queima de ônibus, postos de saúde, escolas, de veículos e pessoas que não tenham nada a ver com a nossa guerra.

Deixando claro que nossa luta é contra aqueles que nos oprimem, que é o governo, e não contra a sociedade. Somos o #Crime organizado no Brasil e os governantes sabem disso. Então, em cima disso, deixamos o seguinte comunicado: tire todos os sindicatos da unidade de Alcaçuz ou essa guerra vai se estender nas ruas e em outros demais os estados do Brasil, contra os órgãos públicos e policiais de todas as categorias.

Assinado: Primeiro Comando da Capital”.

#Investigação Criminal