Após sofrer diversos atentados devido à rebelião no presídio de Alcaçuz, como ataques a caminhão da prefeitura, ataques à delegacia e a queima e depredação de 26 ônibus, #Natal está neste domingo (22) sem transporte público nas ruas pelo quarto dia consecutivo.

A situação na capital do Rio Grande do Norte está insustentável e, mesmo com a presença do Exército nas ruas por determinação do presidente Michel Temer e do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, as empresas e os motoristas e cobradores seguem com a atividade suspensa temendo a violência e possíveis ataques ordenados pelas facções criminosas.

O início

Com a rebelião no presídio de Alcaçuz, que já dura oito dias, os presos das facções que se enfrentam começaram a levar essa batalha para as ruas.

Publicidade
Publicidade

Na quarta-feira (18), foram registrados os primeiros ataques à frota de ônibus da cidade, que depois se espalharam.

Atônitas com a situação, as empresas de transporte coletivo tiraram suas frotas das ruas e Natal ficou pelo quarto dia sem transporte nas ruas.

A promessa

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD) garantiu na sexta-feira (20) que a situação se resolveria o mais rápido possível, já que a polícia entraria permanentemente no presídio e retiraria do presídio os presos de uma das facções, assim resolvendo o impasse da rebelião.

Mas a promessa do governador não se cumpriu. A polícia entrou no presídio, mas saiu minutos depois e a rebelião continua até este domingo (22). Pelo menos 26 presos foram mortos desde o início da rebelião no final de semana passado. Um muro de contêineres para separar as facções teve sua primeira fileira finalizada.

Publicidade

Futuro

Mesmo com a presença das Forças Armadas e do Exército reforçando a segurança de Natal é possível saber se haverá ônibus nas ruas da cidade nesta segunda-feira (23). O clima de instabilidade e de ameaça prossegue.

Os moradores estão se valendo de caronas para conseguirem circular ou usando as lotações, que estão permitidas por toda a cidade para tentar amenizar o prejuízo da ausência de transporte público. #Brasil #Notícias