O ano novo não está sendo motivo de comemoração para várias pessoas da cidade de Campinas (SP). Na noite de ontem (31), um homem invadiu uma festa familiar e atirou contra várias pessoas. Entre as vítimas estão sua ex-esposa e seu filho de 9 anos. Foram um total de 12 mortos.

O réveillon da cidade de Campinas foi marcado com um triste fato. Em uma festa de comemoração, familiares se reuniram para celebrar a virada do ano, porém, não poderiam imaginar o que estava preste a acontecer. O técnico de laboratório Sidnei Ramos de Araújo, de 46 anos, invadiu a festa, matou várias pessoas e se suicidou.

Segundo informações preliminares, o atirador não se conformava com a separação.

Publicidade
Publicidade

Um sobrevivente contou aos policiais que durante os tiros, Sidnei disse que ia matar a ex-mulher pois ela tirou a guarda de seu filho. A criança, vendo a situação, falou que ele tinha matado sua mãe. Essas foram as últimas palavras do menino, que, em seguida, foi morto com dois tiros. Sidney cometeu suicídio após o #Crime.

Algumas testemunhas disseram que de início não entendiam o que estava acontecendo. “Ouvimos barulho de tiro, ficamos na dúvida se eram tiros ou fogos de artifício, era umas quatro para meia-noite”.

Testemunhas contam que o atirador chegou ao local em um carro e foi até o portão da casa. Vendo que estava trancado, pulou o muro e atirou em quem via pela frente.

Cristiano Machado, uma das testemunhas, afirmou que foram momentos de puro terror. Ele conta que estavam praticamente todos dentro de casa.

Publicidade

Quando abriu a porta para abrir as embalagens dos fogos, viu um homem correndo baleado. Ele achou estranho, pois o portão estava fechado, mas, em seguida, viu que se tratava de um atirador.

Para fugir dos tiros, algumas pessoas se trancaram no banheiro e chamavam por socorro.

Dentro do carro de Sidnei, a polícia encontrou um celular com a senha anotada na tela e um gravador de voz. Os policiais encontraram um áudio em que ele se desculpava com um amigo pelo que estava prestes a acontecer, mas não deixou claro o que era.

Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados, porém, já se sabe que foram mortos oito mulheres, dois homens e uma criança.

#assassinato #Casos de polícia