Neste domingo, 15, segundo informações do site '1 News', a tropa de choque decidiu invadir o presídio de Alcaçus, no Rio Grande do Norte, onde uma rebelião havia começado na tarde do dia anterior. As autoridades confirmam que pelo menos dez detentos foram mortos, mas por outros presos. A tropa de choque não teria feito nenhuma vítima fatal dentro da cadeia, já que não houve troca de tiros. Um áudio divulgado pelo portal 1 News mostra um detento conversando com um repórter de uma rádio local. Infelizmente, é muito comum presos terem celulares dentro de cadeias brasileiras.

No áudio, o detento se coloca como um repórter e narra tudo o que acontece dentro do local.

Publicidade
Publicidade

As informações passadas pelo criminoso conflitam um pouco com o que foi dito pelas autoridades. O preso pede ajuda ao repórter e diz que pode ser morto pelos agentes da lei. "A gente 'qué' que a policia entra aqui, pra consegui 'acalma o baguio', a gente ta pra mata ou morre[...]", diz ele em uma linguagem complexa de ser entendida. O repórter da rádio então pergunta quantas pessoas já teriam sido assassinadas na cadeia. Ele fala em vinte mortos, sendo cinco deles decapitados. O preso não dá certeza do número correto de mortos dentro da rebelião.

Em uma entrevista coletiva, o chefe de gabinete do Instituto Técnico de Perícia do estado, Thiago Tadeu, informa que uma força-tarefa está sendo criada para identificar os mortos. Algo parecido aconteceu com outras rebeliões neste ano, como o que aconteceu no Amazonas, onde mais de cinquenta pessoas foram mortas.

Publicidade

A maioria delas foi decapitada e esquartejada.

Interatividade a respeito do tema

Na sua opinião, existe algo que pode ser feito para amenizar esse tipo de situação nos presídio brasileiros. Há salvação? Não esqueça de deixar sua mensagem. Ela é sempre muito importante para todos nós e ajuda a criar o diálogo a respeito do tema.

Ouça abaixo à ligação do presídio para uma rádio local, na qual ele relata tudo o que acontece na rebelião e diz temer por sua vida.

#Crime #Investigação Criminal