#UBER vai dar treinamento para seus funcionários tratarem melhor o público LGBT, em São Paulo. O treinamento é em parceria com a Comissão da Diversidade Sexual da OAB, da Subseção Jabaquara. Isso faz parte das ações que a empresa tem feito para estimular respeito entre os motoristas e seus passageiros.

Um dos tópicos do treinamento será a lei estadual que pune a homofobia, segundo informações de Marcelo Gallego. A empresa tem enfrentado diversas reclamações de passageiros que são vítimas de assédio pelos motoristas, principalmente em São Paulo, onde o Uber tem a sua maior frota no aplicativo.

A empresa irá investir mais de R$ 200 milhões na abertura de uma central exclusiva para mercado brasileiro.

Publicidade
Publicidade

A unidade será construída no Morumbi, em São Paulo, com isso espera gerar mais de 2.000 empregos que podem chegar a 7.000 até o final de 2017.

A corrida dos apps

O anúncio do investimento aconteceu logo após a gigante chinesa Didi Chuxing, conhecida como a “uber chinesa”, ter injetado cerca de R$ 321 milhões na empresa 99, principal rival do Uber em transporte privado de passageiros e caronas compartilhadas no Brasil.

O foco da Didi Chuxing é ultrapassar o Uber, como fez na China onde comprou a subsidiária e eliminou a sua concorrência no mercado local. Provavelmente deve acontecer o mesmo aqui no Brasil, já que decidiu investir no principal concorrente nacional do Uber, a 99.

O mercado de apps para se compartilhar caronas e ligar passageiros aos taxistas tem crescido com a atuação das startups brasileiras 99 e EasyTaxi, e agora conta com chegada da espanhola #Cabify ao país, a tendência é queda nos valores das viagens e melhoria no serviços prestados pelas empresas.

Publicidade

Porém, o Cabify está atuando por enquanto somente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande de Sul.

O Uber tem fortes concorrentes que não enfrentam tantos protestos por parte das empresas de taxis e autoridades, e não de seus motoristas que reclamam da remuneração inadequada e principalmente falta de segurança nas grandes cidades onde atuam. #Empregos