Em um vídeo publicado logo após deixar o hospital, o pastor Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Reino de Deus, comenta o ataque que recebeu durante um culto no Brás, no centro de São Paulo no último domingo, 8. Valdemiro diz que não apenas perdoa o homem que deu facadas em seu pescoço, como também faria de tudo para libertá-lo da cadeia. No mesmo vídeo, Santiago diz que acredita que o #Crime contra ele foi encomendado por outro religioso, mas que esse deveria estar muito triste, pois até sua camisa ensanguentada estaria sendo utilizada para fazer curas em membros da igreja.

A declaração de Valdemiro está gerando muita polêmica na internet. A começar pelo fato de que, ao mesmo tempo Valdemiro se diz vítima de um ataque, mas quer tirar o bandido da cadeia.

Publicidade
Publicidade

Alguns internautas já acusam o apóstolo de inventar toda a situação, já que sua igreja não vive os melhores dias, pelo menos economicamente falando. Nesta terça-feira, 10, em seu primeiro culto, ao vivo, o pastor pediu que os fiéis lutem para que a fé da Igreja Mundial do Reino de Deus seja tão grande e até cresça. Ele falava sobre os custos de se manter um culto na TV por assinatura. O pastor pediu que pelo menos oito mil pessoas se prontificassem a ajudar a fazer os pagamentos. Cada uma delas precisa fazer doações de R$ 1 mil.

"Este homem está fazendo isso para ganhar ainda mais dinheiro. Vai falar que sofreu um livramento de Deus e ganhar mais dinheiro do povo", argumentou um internauta identificado como Rogério no Facebook. Com o objetivo de mostrar que a sua história do ataque não é falta, o próprio religioso teria autorizado a divulgação de uma foto, que o mostra em uma mesa de operação.

Publicidade

A imagem mostra o que seria o pescoço de Valdemiro sendo costurado. Ele levou vinte e cinco pontos na região e foi liberado do hospital horas depois, já falando e até gravando vídeos sobre o incidente.

A TV da Igreja Mundial mostrava outro pastor, ao vivo, quando o ataque aconteceu. Santiago passa escoltado de seguranças e o colega de Ministério diz: "Meu Deus, o que é isso?". Ele não aparente muito espanto com a situação. #Investigação Criminal