Mais de 33 presos foram mortos na madrugada desta sexta-feira (6) na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior penitenciária de Roraima. A notícia vem da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc). O #Governo, após comunicar as mortes, não tornou público mais detalhes. De acordo com nota da secretaria, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e a Policia Militar (PM) estão na unidade situada na BR-174, na zona rural de Boa Vista. A informação é de que a situação está sob controle.

O alerta

Há pouco mais de 48 horas o Amazonas enviou um alerta para Roraima a fim de avisar sobre o que poderia acontecer e o alto risco de #Rebelião, já que existe uma guerra entre facções sem data para acabar, principalmente dentro das unidades prisionais do estado.

Publicidade
Publicidade

No domingo (1°), 56 presos foram mortos durante uma rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus.

Choque entre facções

No mês de outubro do ano passado, aproximadamente 10 detentos foram mortos na unidade durante um confronto de facções rivais, e familiares foram feitos reféns. Alguns detentos foram queimados e outros decapitados. O número de mortos coloca Roraima em 9° no ranking de mortes violentas em presídios, segundo levantamento do site G1. Na época foram apontados 50 suspeitos, o que parece mais uma retaliação em resposta a esse ataque ocorrido em outubro. A guerra entre facções não mata apenas os membros de suas facções, mas também atinge familiares que estão angustiados em casa, sem saberem notícias de seus filhos e maridos que estão detidos nas unidades, que em tese deveriam estar sobre proteção do estado.

Publicidade

O que essa situação revela é que as penitenciárias super lotadas já não oferecem segurança para os detentos, que por sua vez acabam entrando em conflito na disputa pela sobrevivência dentro das unidades.

A Penitenciária Agrícola de Monte Cristo é a maior de Roraima e até pouco tempo abrigava mais de 1,4 mil presos, muito mais do que o dobro da sua capacidade. O presídio é administrado pelo próprio estado, que já poderia ter tomado medidas para evitar tais acontecimentos. #Crime