De acordo com informações do site da Revista Veja, em matéria publicada nesta terça-feira, 3, um terremoto atingiu dois estados brasileiros na manhã de hoje. O Maranhão e o Piauí sofreram um abalo sísmico de 4,6 graus na escala Richter. A informação, de acordo com a Universidade de São Paulo, é verdadeira, pois o tremor foi sentido pelo Centro de sismologia da universidade. Moradores e a imprensa local também registraram o pânico em prédios da região. O epicentro do #Terremoto foi em Belágua e o tremor principal se deu pouco antes de dez da manhã. Em seguida, outros tremores foram sentidos, até mesmo na capital do estado São Luis.

Terremotos são raríssimos no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Moradores do Piauí também usam a internet para falar sobre a sensação de que a terra está tremendo. Prédios da região teriam sido evacuados pelo Corpo de Bombeiros. Um dos prédios que foi evacuado em São Luís foi o do Tribunal de Contas do estado. O susto não teria provocado vítimas. O mesmo centro de sismologia da USP já tinha conseguido registrar no mesmo dia outros tremores no mundo, um na Índia e outro no Chile. De acordo com os especialistas, o tremor nos estados brasileiros é capaz de provocar danos notórios pelos humanos, como objetos se mexendo. No entanto, até o grau 5, danos relevantes não são muito comuns nesse fenômeno da natureza.

No fim do ano, o vidente Carlinhos, conhecido por prever a tragédia da Chapecoense, disse que um terremoto atingiria o país. No entanto, a previsão dele (válida até 2018) dizia que o abalo principal seria na cidade de São Paulo e que mais de cem prédios desabariam.

Publicidade

Não houve relatos, pelo menos até o momento, de prejuízos deste tipo nos estados atingidos pelo terremoto brasileiro. Países vizinho ao Brasil, como o Chile, costumam sofrer com esses abalos com uma frequência muito grande.

Veja abaixo um vídeo sobre o terremoto:

Na sua opinião, o Brasil conseguiria prevenir a destruição de um grande terremoto, como acontece em países como o Japão? Deixe o seu comentário. Ele é sempre muito importante.