O caso da bailarina que morreu após cair do topo de um prédio, no último dia 21, em São Paulo, continua trazendo novos desdobramentos.

Segundo os investigadores, Janaina Onaga, de 17 anos de idade, aparece subindo no prédio segurando a mão do rapaz que estava com ela. Sua queda foi registrada 11 minutos após a entrada no condomínio, às 22h29. Mas o homem que estava com ela só saiu quase duas horas depois do corpo cair na calçada.

Essas informações foram concluídas após análises das câmeras de segurança instaladas no local. O prédio fica na Galeria Metrópole, na região central da capital paulista.

Pelas imagens é possível ver que havia uma espécie de bloqueio na escada do saguão.

Publicidade
Publicidade

O homem é visto passando por cima. Já a moça preferiu passar por baixo do obstáculo.

O acesso aconteceu exatamente às 22h18 daquele sábado. Onze minutos depois, uma outra câmera instalada na área externa na via capturou as cenas da queda da bailarina.

Pelas câmeras do condomínio, fica claro que o jovem que a acompanhava preferiu sair do prédio bem depois. Cerca de duas horas mais tarde, provavelmente após o resgate do corpo e a saída das pessoas da frente do edifício.

Ele saiu pelo mesmo local que entrou, utilizando a mesma escadaria. Seu nome ainda não foi revelado, mas ele já foi ouvido pelas autoridades. Segundo a Polícia, o jovem disse que o casal subiu no edifício para conversas de forma mais reservada. No entanto, quando ele soube que a moça tinha menos de 18 anos, preferiu não ter qualquer contato com ela.

Publicidade

Nesse mesmo momento, Janaína teria dado um passo para trás, se desequilibrado e caído.

Não ficou claro porque ele demorou para descer. A versão, no entanto, não convenceu os policiais, que resolveram exumar o corpo para saber se a moça havia consumido álcool ou entorpecentes.

Também querem apurar de há indícios de crime sexual. Uma das providências será colher amostras das unhas da vítima, para saber se há fragmentos da pele do homem que estava com ela.

Outra medida para tentar entender melhor o que se passou é a reconstituição dos últimos momentos da morte. As equipes que ficarão a cargo de todas as etapas da investigação são do 3º Distrito Policial de São Paulo. A vítima era de Santo André.

#Investigação Criminal