Em matéria de crimes, a criatividade do brasileiro é espantosa. Uma nova categoria tem sido aplicada em caixas eletrônicos, chamada de “pescaria”.

Por meio da técnica, os bandidos conseguem retirar envelopes com dinheiro ou cheque de dentro do compartimento para depósito dos caixas eletrônicos.

O golpe é aplicado preferencialmente à noite, quando o movimento nos caixas rápidos é menor e não há funcionários na agência.

Um vídeo que veio à tona nesta semana, mostra como a nova modalidade de roubo é colocada em prática. Pelas imagens, registradas pelo circuito interno de monitoramento do banco, é possível ver uma mulher com extrema habilidade furtando envelopes que haviam sido depositados no local mais cedo.

Publicidade
Publicidade

O material foi tornado público na última sexta-feira (270, pela própria polícia, na pessoa do titular da Seção de Roubo a Bancos (Serb) de Maceió, Vinícius Ferrari.

O órgão, vinculado à Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), da Polícia Civil de Alagoas, explicou que os criminosos costumam usar uma ferramenta específica para “fisgar” o conteúdo dos caixas.

Trata-se de uma espécie de régua, que prende os envelopes. No vídeo a mulher aparece controlando esse objeto de forma hábil e rápida. A ocorrência foi flagrada em uma agência bancária no bairro do Farol, na capital Alagoana. O banco que teve o conteúdo furtado não foi revelado.

As imagens foram aceleradas, mas de acordo com as autoridades policiais, a jovem permaneceu no local por cerca de 10 minutos. Ao fim dos trabalhos, a missão foi cumprida.

Publicidade

A régua é grande, mas estava sendo escondida em uma espécie de sacola.

A ação ocorreu no dia 21 deste mês, e teve início em pleno expediente bancário, por volta de 14h30. Nesse momento, ela fez um reconhecimento da agência. Depois ainda voltou entre 16h30 e 17 horas. A última visita foi entre 18h30 e 18h40, para concretizar o furto.

A Polícia acredita que a mulher que efetuou a “pescaria” tenha idade de 20 a 30 anos. Sua identidade, no entanto, ainda não foi descoberta.

Informações sobre o nome e o paradeiro da mulher podem ser fornecidas, de forma anônima, ligando para o 181.

#Crime #Casos de polícia