Uma reunião com quórum altíssimo em uma penitenciária mostra centenas de presos recebendo informes e comemorando a morte de outros detentos ocorridas no Presídio de Alcaçus, no Rio Grande do Norte.

As cenas foram registradas por um aparelho celular e estão circulando nas redes sociais desde esta segunda-feira (16).

No vídeo é possível ouvir o preso que está com a palavra noticiar aos demais como foi o confronto entre os pavilhões. “Eram dois pavilhões contra três. Dois nossos, três desfavorável dos cara ali. Pegamo dois, tá ligado mano. Não pegamo outro porque tinha acabado a munição dos nossos irmãos. Mas daqui um pouco se Deus quiser nóis vai receber uma notícia boa, que é a cadeia de Alcaçuz, Rio Grande do Norte (sic)”, conta.

Publicidade
Publicidade

Ele diz que depois da dita rebelião algumas coisas mudaram na rotina do lugar. “Era opressão, era várias injustiças. Hoje já é nosso, mais da metade dela, entendeu meus parceiro? (sic)”.

“É nóis”, respondem os participantes da reunião, em pleno pátio de uma instituição penitenciária não identificada no vídeo.

A assembleia segue em tom de celebração com gritos de guerra que visam reforçar a união do grupo de criminosos, que pertenceriam ao Primeiro Comando da Capital (PCC), facção que atua sobretudo no Sudeste do Brasil.

O detento que conduz a reunião avisa que soube que foram 33 mortos ligados ao grupo adversário. Ele não cita nomes. Essa é quantidade de vítimas do massacre da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima, ocorrida há 11 dias.

“Chegou aqui a mim, no momento em que eu estava acompanhando.

Publicidade

Já foram 33 mortos da parte do sindicato. Graças a Deus não perdemos nenhum irmão nosso. Só parabenizar os parceiros. Nóis tá mandando o nosso parabenizamento em cima da caminhada (sic)”.

As saudações em coro são solicitadas: “É pra soltar a voz!”, pede um dos organizadores da reunião. E um deles puxa palavras de ordem: “Em Deus que ele é...”. E a multidão, em coro, responde “Justo!”.

Os gritos, ainda em tom religioso, seguem. “Se Deus é por nós...”, grita um preso para, na sequência, as vozes responderem “quem será contra nós”.

Após o apelo divino, o estímulo à união. O detento brada “Unidos...”. Os presos completam a frase “Venceremos”.

Até o lema dos Três Mosqueteiros, obra de Alexandre Dumas, é entoada. “Um por todos...”, provoca o condutor da pequena massa, para ouvir na sequência “Todos por um”.

O líder ainda grita os números 15.3.3 que indicam as letras “P” (15ª no alfabeto) e os dois “Cs” (consoante que vem em 3º lugar na ordem alfabética). Os presos respondem “PCC”.

E no fim do vídeo, a frase que simboliza a assinatura da facção fecha a reunião: “Paz, Justiça, Liberdade, Igualdade”.

#Crime #Investigação Criminal