Você já deve ter ouvido falar na expressão que o amor não tem idade, não é mesmo? Muitos casais decidem enfrentar todo o preconceito da sociedade para terem uma relação com quem amam. No entanto, em alguns casos, o amor, na verdade, não passa de uma dependência financeira. Foi isso o que aconteceu com Nilton. O rapaz de vinte e dois anos procurava emprego e sua família descobriu que uma idosa da cidade de Ribeirão Preto, na cidade de São Paulo, precisava de um cuidador. O jovem então foi trabalhar na casa da senhora, que tem 67 anos, e os dois, curiosamente, acabaram ficando apaixonados.

A senhora, identificada como Ana Maria do Carmo, aos poucos, foi melhorando.

Publicidade
Publicidade

No entanto, ela deu um jeitinho do rapaz não ir embora. Em troca do amor do rapaz, 45 anos mais novo, ela o mantinha financeiramente, dando dinheiro a ele. A mãe sabia de tudo, pois o jovem nunca escondeu sua relação sexual com a aposentada. Ela então juntou o dinheiro que tinha e decidiu financiar um carro para o filho, a fim de que ele trabalhasse como motorista do UBER. A Senhora ficou revoltada e ligou para a mãe. Na ligação, ela avisava que teria Nilton de volta. A vovó então decidiu contratar três criminosos para dar um "susto" no rapaz. A polícia acredita que o tal susto, na verdade, fosse roubar o carro. Sem o veículo, o jovem ficaria sem dinheiro. A senhora poderia acreditar que ele então voltasse a bater em sua porta.

O problema é que os bandidos decidiram chegar atirando no rapaz.

Publicidade

Após armarem uma falsa corrida, ele foi alvejado. O jovem levou três tiros e não faleceu. Apesar de ainda estar internado, Nilton estaria consciente e não corre mais o risco de morte. Sua ex-namorada, a vovó, acabou sendo presa e disse que não pediu para ninguém matar o seu amado.

Veja abaixo o vídeo que mostra uma reportagem do 'Cidade Alerta', da Record TV, sobre o caso. Na sua opinião, que tipo de pena essa idosa carente merece? Não esqueça de deixar seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo.

#Crime #Investigação Criminal