O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) divulgou o resultado do exame realizado para avaliar os médicos recém-formados em 2016. O exame não é obrigatório para o exercício da medicina. O número de reprovações foi maior do que o exame de 2015. Nesta 12ª edição participaram 2.677 egressos das faculdades de medicina do estado de São Paulo. Conforme o CREMESC, os índices de reprovação também foram maiores de recém formados oriundos de escolas médicas particulares - em relação a publicas - mesmo índice dos exames anteriores.

Números assustadores

A prova foi composta de 120 questões de múltipla escolha e teve duração de até 5 horas, tendo como disciplinas as matérias das seguintes áreas médicas: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Pediatria, Ginecologia, Obstetrícia, Saúde Pública e Epidemiologia, Saúde Mental, Bioética e Ciências Básicas.

Publicidade
Publicidade

O percentual para aprovação era de que o candidato acertasse pelo menos 72 questões do total. Dentre os principais erros, de uma prova considerada pelo próprio CREMESC como básica, constatou-se os seguintes números: 80% não souberam interpretar um exame de radiografia e erraram a conduta terapêutica de paciente idoso; 75% não souberam identificar principais características e conduta a ser tomada no caso de paciente com deficiência respiratória; 71% não acertaram diagnóstico e tratamento para hipoglicemia de recém-nascido, um problema comum nos bebês; 70% não conseguiram diagnosticar tuberculose por meio do histórico clínico do paciente; 70% não souberam indicar a conduta adequada em paciente com crise hipertensiva, considerando que a crise hipertensiva acomete 1/4 da população brasileira e é uma manifestação com grande potencial de morte e AVC (acidente vascular cerebral).

Publicidade

A situação pode ser pior

A avaliação foi realizada pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo e avaliou apenas egressos daquele estado. Entretanto, há que se considerar que os números possam ser idênticos (ou até piores) em outros estados brasileiros. Não é a toa que o número de erros médicos vem crescendo assustadoramente nos últimos tempos. Alguma providência - rápida - tem que ser tomada para mudar este triste quadro da realidade da medicina no Brasil, um exemplo, poderia ser a obrigatoriedade de um exame nacional de avaliação dos egressos, assim como ocorre na Ordem dos Advogados do Brasil e também uma mudança na legislação penal e civil no tocante à apuração de erros médicos. #erromedico #leispenais #negligenciamedica