Na tarde da última quarta-feira (15), a justiça decidiu por manter pela condenação através do pagamento de multa ao apresentador Luciano Huck devido a uma apropriação ilegal de terra. O Ministério Público Federal tinha condenado o apresentador por ter cercado uma área considerável ao entorno de sua residência em Angra dos Reis no Rio de Janeiro. Segundo os autos do processo o espaço corresponde a um bem material da sociedade, e deveria ser considerado de todos os cidadãos e não pertencer a uma única pessoa. A condenação inicial seria de que o apresentador deveria pagar um valor de quarenta mil reais por dia de multa caso não retirasse a cerca que havia colocado na área pré-determinada.

Publicidade
Publicidade

Huck recorreu da decisão da justiça alegando que havia se apropriado da área para poder fazer cultivo de mariscos e frutos de mar, utilizando da atividade também como fonte de renda. Diante de todas as possibilidades de renda do artista, fica quase incompatível que ele use a área como instrumento de trabalho, e dessa maneira o MPF negou mais uma vez em segunda instância o pedido de retirada da multa recebida. O processo está tramitando desde 2011 quando a justiça determinou a retirada imediata dos limites de cerca colocados pelo apresentador. O marido da também apresentadora Angélica decidiu então por recorrer ao Supremo Tribunal Federal à condenação.

No entanto, para o Tribunal Superior de Justiça, o recusa em pegar a multa trata-se apenas de inconformismo em seguir os ditos da lei, e não uma necessidade imediata de apropriação.

Publicidade

Para os promotores, será irrevogável o pagamento uma vez que a área não for esvaziada. Caso o problema persista o apresentador ficará responsável por pagar uma indenização por danos materiais e imateriais ao patrimônio público. A casa de Hulk fica em uma área de conservação natural cercada de verde e água para todos os lados. Para as autoridades responsáveis pelo julgamento o caso já foi discutido e rediscutido inúmeras vezes e não cabe alteração da sentença, uma vez que já ficou provado que o local é um bem comum da sociedade. #Crime #Investigação Criminal