O apresentador e radialista Silvio Carlos Baía Santos, conhecido como Silvinho Santos, natural de #Belém do Pará, filho do famoso apresentador local e ex-governador do estado, Carlos Santos, teve sua #Prisão decretada nesta última quarta-feira (8), pelo juiz Altemar Paes, titular da 4º vara penal do município de Belém, por #Crime de extorsão, cometido por ele e por Francisco Carlos Pinheiro Magno, contra o empreiteiro Raimundo Nonato de Oliveira, o Raimundão, em 25 de abril de 2010.

Silvinho Santos era locutor do programa “Mexe-Pará”, da rádio Marajoara, e com ajuda de Francisco Pinheiro Magno, que também era radialista e assessor de Silvio na época do ocorrido, iniciou uma série de veiculações de denúncias difamatórias e caluniosas contra o empreiteiro no seu programa de rádio.

Publicidade
Publicidade

Ao mesmo tempo em que difamavam Raimundão, passaram a fazer ligações para o mesmo com a proposta de receberem a quantia de 50 mil reais, valor esse que depois baixou para 30 mil reais, para que cessassem as denúncias caluniosas.

Diante das ameaças e tentativa de extorsão que estava sofrendo de ambos radialistas, o empreiteiro combinou de entregar um cheque em troca de pararem com as denúncias contra ele, mas antes de ir ao local marcado para entrega, procurou à delegacia do Marco onde contou as ameaças que estava sofrendo e fez um boletim de ocorrência. O delegado titular disponibilizou três policiais para acompanharem de perto a vítima até o posto de gasolina.

Por volta de 12 horas, Raimundo Nonato chegou ao local combinado para a entrega do cheque, ao chegar já se encontravam lá os radialistas Silvio Santos e Francisco Pinheiro, dentro de um veículo da marca Parati, sendo que apenas Francisco desceu ao encontro do empreiteiro.

Publicidade

No instante em que Raimundo entregou o cheque, os policias civis apareceram e deram voz de prisão.

Os réus, alegando falta de provas consistentes, entraram com recurso contra a decisão em primeira instância, porém, a decisão foi mantida pelo TJE-PA e, como já transitou em julgado em todas as instâncias, não cabe mais recurso.