Nesta quinta-feira, 9, imagens de um crime que aconteceu no início da semana começaram a viralizar nas rede sociais. Uma mulher, acusada de ser assassina de crianças, acabou sendo linchada por populares no município de Novo Aripuanã, localizado a mais de 200 quilômetros da capital do Amazonas, Manaus. A mulher, que preferimos guardar o nome, estava dentro da delegacia, quando tudo ocorreu. Oficialmente, ela é acusada de matar um menino de dois anos, mas na região a mulher é vista como uma criminosa em série. Boatos correram a cidade e deram conta que outras crianças foram assassinadas pela acusado.

Os populares, assim que ficaram sabendo que a mulher estava na delegacia, tiveram um ataque de fúria.

Publicidade
Publicidade

Eles colocaram fogo em restos de lixo e de uma carcaça de automóvel e, em seguida, invadiram a delegacia. O delegado foi atingido por uma pedra e precisou de atendimento médico. A acusada teve destino bem pior. Além de apanhar muito, a mulher foi arrastada pelas ruas da cidade. Após isso, ela foi jogada em uma fogueira. Ao todo, pelo menos quinhentas pessoas revoltadas participaram da ação e agrediram a mulher, que já estava presa.

Em relatos nas redes sociais, moradores negam que a mulher tenha matado apenas um garoto. De acordo com eles, a acusada teria incendiado uma casa com sete pessoas dentro, dentre elas três crianças. Uma delas tinha apenas dois anos de idade e acabou não resistindo. Além disso, eles afirmam categoricamente que a meliante tinha uma história mais ampla no crime.

Revoltados, os moradores queimaram a mulher viva.

Publicidade

Ele não chegou a falecer. Após uma breve distração dos populares, ela saiu correndo. A mulher teve queimaduras por todo o corpo por conta da ação. A mulher apenas não foi morta, pois os policiais militares, mesmo em número bem menor, conseguiram acalmar a população da região. O povo agiu certo? Comente!

Veja abaixo o vídeo que mostra a mulher sendo agredida barbaramente por populares. Atenção, o conteúdo pode ser considerado forte para algumas pessoas.

#2017