Um estudante, que preferimos não identificar o nome por questões judiciais por ser menor de idade, de dezessete anos, foi assassinado com um tiro na cabeça por um soldado do Exército. A informação foi dita pelos familiares do rapaz, como mostra uma reportagem do jornal 'Gazeta Online'. O caso aconteceu no bairro São João Batista, no município de Cariacica, no estado do Espírito Santo. A região está ocupada pelas forças armadas desde o meio da semana. No sábado passado, 4, os policiais militares entraram em uma greve (considerada ilegal) e que não teve fim. O rapaz foi morto com um tiro de fuzil calibre 762, do tipo usado pelas Forças Armadas.

De acordo com a família, o rapaz estava perto dos militares, quando o assassinato ocorreu.

Publicidade
Publicidade

Após a morte, a família alega que os soltados deixaram o rapaz morto na rua. A delegacia que investiga o caso confirma a morte do rapaz, que o Exército trata com criminoso. Ele estava na Rua Américo Barcelos, quando recebeu o disparo. O suposto estudante acabou no exato momento em que recebeu o tiro na cabeça. A ação ocorreu pela manhã. O estado do Espírito Santo vive um caos urbano e muitos assassinatos e roubos aconteceram. Em uma semana da paralisação da PM, já são mais de 100 homicídios considerados graves. O número já é maior que todo o mês de fevereiro do ano passado. O mês de fevereiro já costuma ser movimentado no #Crime por conta do Carnaval.

De acordo com a família do rapaz morto, os militares foram à rua, pois receberam a denúncia que uma casa estava sendo invadida por bandidos.

Publicidade

A família nega que o rapaz pertença ao tráfico de drogas na região e que estava no sexto ano de uma escola da região. Geralmente, pessoas dessa idade cursam o terceiro ano do ensino médio, ou seja, o rapaz estava com pelo menos cinco anos de atraso na escola. A Força Tarefa do Espírito Santo diz que o rapaz morto estava invadindo a casa ao lado de outros dois homens e que houve uma troca de tiros.

O que você achou da atitude dos militares? Deixe seu comentário! #Investigação Criminal