Foi confirmada nesta quinta-feira (2), o falecimento da mulher do ex-presidente #Lula, #Marisa Letícia. A ex-primeira-dama foi internada no dia 24 de janeiro, após sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico, provocado pelo rompimento de um aneurisma. Depois de passar por vários procedimentos médicos, a equipe do Hospital Sírio Libanês confirmou, na manhã de hoje, que Marisa Letícia não tinha mais fluxo cerebral. Avisados sobre a #morte cerebral, Lula e os filhos optaram por doar os órgãos da ex primeira-dama.

A nota da morte de Marisa Letícia foi divulgada pelo hospital em que ela estava internada, informando que foi realizado um exame chamado Doppler transcraniano, onde foi constatada ausência de fluxo cerebral.

Publicidade
Publicidade

“A paciente Marisa Letícia Lula da Silva permanece inalterada na UTI do Hospital Sírio-Libanês. Na manhã de hoje, foi realizado Doppler transcraniano, sendo identificada ausência de fluxo cerebral. Diante do resultado, com autorização da família, foram iniciados procedimentos para doação de órgãos”, dizia a nota.

O ex-presidente utilizou as redes sociais para agradecer o carinho de todas as pessoas que torceram para a recuperação de sua esposa. “A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos 10 dias pela recuperação da ex-primeira-dama Dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgões”, dizia o post.

Nos últimos dias, Marisa teve que passar por vários procedimentos cirúrgicos para conter a hemorragia.

Publicidade

No dia em que foi internada, os médicos fizeram um procedimento de emergência que durou aproximadamente duas horas. A equipe médica fez uma arteriografia cerebral para encontrar a lesão e, em seguida, colocaram um cateter na região lesionada para dar fim ao sangramento.

Recentemente, Marisa passou por uma outra cirurgia que, segundo os médicos, foi necessária para passar um cateter ventricular e, assim, monitorar sua pressão intracraniana. Outro exame realizado nesta semana detectou que Marisa estava também com trombose nas veias das pernas. Para prevenir uma possível embolia pulmonar, foi passado um filtro de veia cava inferior. Infelizmente, Marisa não respondeu a nenhum dos tratamentos.