Um Carnaval de tragédias. Felizmente, nenhuma morte foi registrada nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. No entanto, o sobrenatural, o inesperado e porque não dizer o "paranormal" chamou mais atenção do que a beleza das agremiações. Quem são os culpados, apenas uma apuração detalhada da polícia civil poderá informar, no entanto, foram muitos os eventos inacreditáveis em alguns dias de #Carnaval. Uma possível resposta para tantos problemas, como jamais se viu na Marquês de Sapucaí, pode ser explicado com a falta de dinheiro das escolas. Até mesmo a Mangueira, campeã do último Carnaval, teve um buraco no meio da avenida.

Ainda na Série A, uma porta bandeira torceu o joelho quando se apresentava na frente dos jurados.

Publicidade
Publicidade

Ela saiu carregada e foi substituída pela segunda porta-bandeira da agremiação. No dia seguinte, o carro alegórico da Acadêmicos do Tuiuti, ao fazer uma curva, esmagou algumas pessoas. 21 ficaram feridos, entre eles, repórteres que cobriam a festa mais popular do Brasil. No segundo dia de desfile, mais problemas, a União da Ilha teve um carro que bateu no estúdio Globeleza, da TV Globo, deixando Fátima Bernardes assustada.

Para completar os inúmeros fatos inacreditáveis, um carro alegórico da Unidos da Tijuca, simplesmente, desabou. 15 pessoas ficaram feridas. Duas em estado grave. A escola fechou o seu desfile às lágrimas e com um minuto estourado. "Em mais de vinte anos de avenida", nunca vi nada parecido.

A musicoterapeuta Rose Kelma, estava no Sambódromo, e diz o que viu. "O acidente da Tijuca, foi exatamente na frente da onde eu estava sentada no setor 1.

Publicidade

Muitas coisas precisam ser pensadas após esse ocorrido. A escola tinha que ter parado o desfile para que fosse feito o socorro adequado. As ambulâncias passaram por dentro da bateria e também por dentro de outras alas. Isso poderia ter provocado outros acidentes", disse ela lembrando sobre os momentos de tensão.

O prefeito da cidade, Marcelo Crivella, do PRB, que não foi à abertura do Carnaval (algo raro a um prefeito), não se pronunciou sobre os acidentes.