O estado do Espírito Santo está vivendo um grande período de caos. Desde sábado, quando os policiais militares decidiram entrar em greve, os crimes aumentaram e a reclamação da população também. Ao todo, já foram registradas oitenta e sete mortes, segundo relatos do Sindicato dos próprios policias capixabas. O relato foi dado com destaque nesta quarta-feira, 8, pelo site da Revista Veja. As mortes são apenas as violentas e são somadas aos cinco dias que a greve existe. Na noite de terça-feira, 7, alguns batalhões voltaram às ruas. Só na terça-feira, por exemplo, foram registrados vinte e dois homicídios. A grande maioria deles na grande Vitória (dezoito assassinatos).

Os dezoito corpos foram levados ao Departamento Médico Legal de Vitória.

Publicidade
Publicidade

Os demais corpos foram transportados para o interior do Espírito Santo. Não há dados oficiais do governo sobre o caos no estado. O governo federal já colocou nas ruas o Exército, mas a ajuda não tem sido tão efetiva quanto se esperava. Ainda nesta terça, alguns saques foram registrados. Nesta quarta, o Presidente do Sindicato dos Rodoviário de Vitória, Edson Bastos, contou que, após depredações e ameaças, pelo menos 1200 ônibus não sairiam das garagens. Isso faz com que o estado não funcione. Alguns ônibus chegaram a ser queimados, provocando um grande prejuízo.

Na terça-feira, pela manhã, apenas 60% dos coletivos foram às ruas. No entanto, um motorista sofreu tentativa de sequestro do veículo e outro teve a moto furtada, enquanto tentava chegar ao trabalho. Além do Exército, a Força Nacional de Segurança já está na grande Vitória, mas a situação ainda não foi controlada e os relatos de saques, tiroteios e ruas desertas continuam.

Publicidade

Na sua opinião, o que pode ser feito para reverter essa situação? Deixe o seu comentário! Ele é sempre muito importante para todos nós.

Veja abaixo um vídeo que mostra um compilado de imagens sobre alguns crimes bizarros que aconteceram no Espírito Santo. Há relatos até de corpos esquartejados que foram abandonados em corredores do Departamento Médico Legal de Vitória por falta de espaço nas geladeiras.

#Crime #Investigação Criminal