Ultimamente muito se fala em #UBER no Brasil, seja por aspectos positivos como, por exemplo, ser mais uma opção de locomoção nas grandes cidades e ter preços mais módicos em relação à concorrência no transporte público; no entanto, há ainda uma certa contenda sobre o serviço, pois a classe dos taxistas entende que é uma competição desleal e tem ocorrido casos de fraudes ou até mesmo assaltos com falsos motoristas atendendo clientes que acionam o Uber. De modo muito resumido, pode-se entender que o Uber nada mais é do que uma empresa de tecnologia, que desenvolveu um aplicativo para as pessoas que necessitam de locomoção de um ponto a outro, e encontram, por meio desta parceria, motoristas que os levam aos seus destinos finais.

Como já mencionado, nem tudo, entretanto, está funcionado da forma como deveria.

Publicidade
Publicidade

Basta imaginar a situação em que um indivíduo qualquer sai do seu serviço durante o período noturno e resolve optar pelo Uber ao invés do ônibus. A pessoa faz a chamada pelo aplicativo, aguarda em uma calçada de referência, o carro chega e o motorista indaga para o cliente se ele está esperando pelo #Automóvel. Você entraria no carro?

Lamentavelmente, em algumas situações como a descrita, meliantes estão se utilizando da facilidade e praticidade do serviço de transporte de pessoas, justamente porque os carros do Uber não possuem uma identificação clara do lado de fora, facilitando a fraude.

Obviamente o quadro não é totalmente desesperador a tal ponto do serviço se tornar inviável no país, mas é imprescindível que o cliente fique atento e passe a se orientar em 5 conselhos de segurança, a fim de evitar que se meta em uma grande confusão por ter pedido um Uber.

Publicidade

  • Fique antenado no roteiro que o carro está seguindo: é uma atitude bem simples, uma vez que no próprio aplicativo é possível verificar qual o trajeto que o automóvel acionado está fazendo, ou seja, se no mapa da tela do celular indicar que o carro chegará pelo lado direito e ele vem pelo lado oposto, há algo no mínimo estranho acontecendo. O mesmo se dá com outras localizações do carro, como estando em ruas paralelas ou de trás do cliente.
  • A placa do carro deve ser checada obrigatoriamente: o mesmo aplicativo, quando indica o automóvel que irá atender ao cliente, também informa a placa, modelo e marca do carro, ou seja, mesmo que a pessoa não entenda de modelos de automóveis, ela se orientará pelo código alfanumérico da placa, antes mesmo de entrar no carro.
  • O passageiro não deve dizer nunca primeiro o nome ao motorista: neste item, a pessoa deve ser perspicaz e deixar que inicialmente o motorista é que revele o nome, para a própria segurança, inclusive do condutor. Após isso, quando o profissional fizer a pergunta, o cliente pode finalmente dizer o seu nome.
  • Veja se o condutor do veículo está usando o aplicativo: geralmente os motoristas do Uber fixam o celular com o aplicativo funcionando nos painéis dos seus carros, sendo que, justamente nesse momento o cliente tem a chance de verificar a foto e o nome do motorista, confirmando se é ou não o designado para prestar o serviço do chamado.
  • Ainda com receio? Compartilhe sua localização: o usuário do Uber ainda pode remeter aos parentes e amigos um link indicando onde se encontra enquanto dentro do Uber, bastando para isso clicar na seção “Compartilhar rota” do aplicativo, para que assim quem recebeu o link, saiba realmente para onde o passageiro está sendo levado pelo Uber.

No demais, é ficar na expectativa positiva de que o passageiro tenha uma boa viagem e chegue ao seu local de destino com rapidez e segurança. #Aplicativos