Preso nesta manhã de terça feira, um pastor suspeito de abusar de crianças de oito e nove anos no Ceará. Uma de suas vítimas era a própria sobrinha, que atraía os menores para a consumação do fato, segundo a SSPDS (Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social).

A polícia foi acionada pelo Conselho Tutelar, após uma ligação anônima alertando a delegada Adriana Savi, da Delegacia de Defesa da Mulher na cidade de Sobral, no Ceará. Após investigações, chegaram ao autor dos fatos para investigar uma denúncia de abuso sexual.

Quando receberam as denúncias, os investigadores da polícia conseguiram identificar as vítimas, que foram submetidas aos exames preliminares e fizeram exame de corpo delito para verificar se houve violação de suas partes íntimas, confirmando assim os abusos.

Publicidade
Publicidade

Segundo a delegada, os abusos sexuais já vinham ocorrendo há mais de dois meses. O suspeito usava a própria sobrinha, uma de suas vitimas, para atrair as crianças com a mentira de brincar com elas. “Ninguém desconfiava, pois ele usava a sua sobrinha para atrair as crianças”, disse a delegada.

O mais estranho disso tudo é que o suspeito, recentemente, havia sofrido um assalto em sua residência, e foi até a delegacia para saber do andamento das investigações sobre o ocorrido e, por azar, foi preso em flagrante e interrogado, mas negou as acusações de abuso contra as meninas.

As investigações continuam e a Inteligência da policia está a todo vapor à procura de mais provas e mais vítimas do pastor. “Pais, prestem mais atenção em seus filhos pois, o primeiro indício de violação é quando a criança começa a dar sinais de abusos e quando passa a ter um #Comportamento mais erotizado”, finalizou a delegada.

Publicidade

Entenda o caso de estupro na lei brasileira

De acordo com o Art. 213 caracteriza-se #Crime de estupro: constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.

Consiste no ato sexual contra crianças na idade entre 8 a 15 anos remetendo ao seguinte artigo:

Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (quatorze) anos.

Pena de reclusão de oito a 15 anos, segundo o Código Penal Brasileiro. #Casos de polícia