O estado do Espírito Santo vive um momento de caos desde o final de semana. Inicialmente, os próprios policiais militares, que sofrem com falta de pagamento, decidiram entrar em uma greve por tempo indeterminado. O governo do estado, no entanto, viu ilegalidade no movimento, mudou o comando da PM e pede ao presidente do Brasil, Michel Temer, do PMDB, a presença do Exército nas ruas. Isso porque o estado está vivendo um momento de pânico. A hashtag 'ESPedeSocorro' chegou ao assunto mais comentado do Twitter. O motivo é que muitos registros da população mostram que o pânico tomou conta de várias cidades.

Internautas revelam que pessoas estão sendo feitas reféns nas ruas, lojas assaltadas, pessoas agredidas, além de outros tipos de violência.

Publicidade
Publicidade

Alguns centros comerciais da grande Vitória não abriram até o fechamento desta reportagem. Há vídeos de grupos arrombando lojas e colocando fogo em ônibus na cidade. Enquanto a confusão acontecia no estado, a população reclamava de uma suposta falta de atenção da mídia, especialmente da Globo. "Se fosse em Nova York, a Globo tirava tudo do ar", disse um internauta.

Após as críticas, que não foram poucas, o canal a cabo de notícias Globo News decidiu dar espaço à onda de violência que atinge a região. O Jornal da Globo News, inclusive, entrevistou o secretário de segurança pública do estado, André Garcia, que disse que não tomaria nenhuma atitude demagógica nesse momento e diz que não é o momento para se buscar aumento salarial, quando se tem uma grave crise econômica no país. "Isso para resolver precisa de condições efetivas para isso", disse o político em uma entrevista ao vivo.

Publicidade

Ainda não há números oficiais da violência desde a paralisação da PM.

Veja abaixo um vídeo que mostra um compacto de algumas ações criminosas que aconteceram no estado do Espírito Santo e que a TV Globo é acusada de não mostrar. Na sua opinião, a emissora foi errada ao não fazer um plantão sobre o assunto? Deixe o seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo.

#Crime