Gabriel Vaz, estudante e estagiário do curso de engenharia civil, residente em Maringá, recentemente ficou conhecido no Facebook por criar uma postagem considerada polêmica na medida em que a publicação foi identificada como sexista e misógina. Assim, a empresa em que ele estagiava demitiu o jovem por considerar que a conduta praticada por ele foi inapropriada.

Destaca-se que o jovem postou uma foto no trabalho, em que aparece ao lado de um caminhão carregado de cimentos, ao fundo da imagem, escreve: “Procurando alguma feminista para ajudar a descarregar... Direitos iguais até chegar a carga de cimento”.

Em outra foto, o mesmo rapaz, aparece olhando alguns papéis, com a seguinte legenda: “analisando um projeto hidrossanitário da rede esgoto por onde vai passar os argumentos das feministas, aborteiras, etc (sic)”.

Ante o exposto, a empresa em que ele trabalhava, Cantareira Construtora e Imobiliária, publicou um texto na mídia social, no qual alega não aprovar o gesto do rapaz, considerando as mensagens publicadas sexistas e extremistas.

Publicidade
Publicidade

Para o G1, Gabriel afirmou que tudo não passou de uma brincadeira e que não tinha intenção ruim, ainda pediu desculpas para a empresa e familiares.

Nova contratação

Todavia, segundo informações publicadas por Gabriel, uma outra empresa contratou os serviços dele como estagiário, afirma que a empresa Alezzia, ofertou uma vaga de estágio "novo e melhor".

Para contratar o jovem, alegaram que ele encontrava-se em um momento de criatividade e por isso lançou polêmica. Assim escreveram: "Nós aqui, tirando a palavra 'aborteira', achamos que foi dentro dos limites da zoeira normais. A punição dele para nós foi desproporcional, até porque não havia nenhum tipo de referência a empresa. Era claramente uma opinião particular".

Verifica-se que Alezzia foi duramente criticada por movimentos feministas no ano passado, por exibir fotos de uma mulher com trajes de banho, de acordo com as criticas, a empresa estava objetificando mulheres por exibir o corpo feminino.

Publicidade

Diante do exposto, a empresa optou por contratar Gabriel considerando que os atos exercidos por ele não foram ilícitos enquanto os antigos empregadores o demitiram tendo em conta que acharam o gesto emitido pelo jovem como sexista. #machismo #Feminismo