O ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes deixou a prisão na noite da última sexta-feira (24), onde estava preso acusado do assassinato de sua amante Eliza Samudio. Ele foi condenado a 22 anos e três meses, dos quais só cumpriu três anos preventivamente. Ao sair, conversou com a TV Globo Minas e declarou que mesmo se houvesse prisão perpétua, nada traria a vítima de volta. A decisão de libertar Bruno partiu do Ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu ser desnecessário mantê-lo encarcerado, visto que estava sob prisão preventiva aguardando apelação ser julgada no Tribunal de Justiça de Minas (TJMG).

O ex-detento reconheceu que pagou muito caro o "erro" cometido: "Paguei, paguei caro, não foi fácil", confessou e afirmou que isto serviu mais de aprendizado do que punição.

Publicidade
Publicidade

Ainda em conversa, Bruno garante que não apagaria o passado mesmo tendo sofrido todo tipo de humilhação na penitenciária Nelson Hungria, isto só serviu para fortalecê-lo e dar mais valor à vida. "Eu quero deixar bem claro que eu vou recomeçar", afirmou, referindo-se ao lado profissional, muito embora não pense mais em jogar bola, pois, segundo ele, as pessoas fatalmente iriam apontá-lo como assassino. Bruno pretende ser treinador de goleiro no futuro.

Mesmo em liberdade, o ex-goleiro deverá manter endereço fixo e informar à justiça. No que se refere ao #julgamento de seu habeas corpus, o tribunal não se manisfestou. Sônia Samudio, mãe de Elisa, ficou transtornada com a decisão, disse a advogada. Defensoria também manifestou-se a favor da queda da liminar pelo STF.

A liberdade

O crime ocorreu em 2010 e Bruno foi considerado culpado pela Justiça por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado de sua ex-#Amante, Eliza Samudio, além de ocultação de cadáver, visto que corpo nunca foi encontrado.

Publicidade

Julgado em 2013, a defesa tentou anulação do juri, mas um recurso ainda está sendo analisado. Acompanhado da esposa Ingrid Calheiros, com quem se casou na prisão, e advogados, o ex-goleiro Bruno deixou a cadeia para aguardar novo julgamento em liberdade. Defesa afirma que ele não usará tornozeleira eletrônica. #Presídio