Na última segunda-feira, 20 de fevereiro, o analista de redes Nikolas Soares Valério, fez uma postagem que viralizou no Facebook. De acordo com ele, que é morador de Goiânia, no último final de semana, ele foi a uma festa e perdeu seu telefone celular, um iPhone 6, e não tinha a esperança de recuperar o aparelho, quando, no domingo, recebeu a ligação de um jovem de 17 anos que encontrou seu telefone.

“Marcamos de eu ir na casa dele para buscar o aparelho. Prontamente ele me devolveu e eu quis dar R$ 200,00 para ele, como forma de agradecimento, mas o que ele realmente está procurando é uma vaga de emprego”, disse Nikolas em seu perfil no Facebook.

Publicidade
Publicidade

Para ajudar o rapaz, ele então publicou o currículo do garoto, Pablo Júnior Oliveira de Paula, e ainda destacou que o futuro contratante "já vai sabendo que está contratando uma pessoa de caráter raro!". A publicação viralizou e não são poucos os elogios ao jovem. Com mais de 1 mil compartilhamentos e mais de 4 mil reações, muita gente afirma que se mais pessoas fossem como o menino, o #Brasil seria um país melhor.

A coisa mais normal do mundo

Apesar dos elogios e de estar sendo chamado de exemplo, Pablo comentou a um jornal local que não entende a reação das pessoas, pois considera a ação de entregar algo que não lhe pertence normal. Ele disse que encontrou o aparelho no chão, em frente uma casa de festas e ligou para o número que estava na tela. "Eu queria apenas entregar o celular, pois para mim isso é uma coisa normal".

Publicidade

Ele também disse que não queria receber nada em troca, pois agiu da maneira correta, porém, como Nikolas insistiu que queria fazer algo por ele, Pablo então pediu ajuda para encontrar emprego. O garoto, apesar de ter apenas apenas 17 anos, possui tem experiência trabalhando em diversas áreas.

Como ele é menor de idade, ainda não foi oferecida a ele uma vaga de emprego, porém, muitas empresas o convidaram a participar de treinamentos. O jovem, atualmente, não está estudando, mas seus planos incluem começar a trabalhar para ajudar a mãe e também voltar a estudar. #solidariedade #É Manchete!