O ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, ganhou a liberdade após ficar mais de seis anos preso. Bruno recebeu a condenação de 22 anos e três meses por ter assassinado a Eliza Samudio, mulher com quem ele teve um relacionamento extraconjugal e com quem acabou tendo um filho.

Bruno concedeu uma entrevista para o canal Globo Minas e ainda ironizou dizendo que mesmo que ele passasse o resto da vida na prisão, isso não traria a vítima de volta à vida.

A motivação do crime teria sido a pressão de Eliza para que Bruno reconhecesse a paternidade da criança. Ela desapareceu no ano de 2010 e seu corpo nunca foi localizado. De todas as pessoas envolvidas no crime, o ex-goleiro recebeu a maior condenação por ter sido considerado o mandante do assassinato.

Publicidade
Publicidade

O ex-goleiro foi sentenciado pela #Justiça por homicídio triplamente qualificado e também ocultação de cadáver. Quando o crime aconteceu, houve uma grande manifestação popular pedindo a condenação de Bruno, pois a maioria da população ficou revoltada com a crueldade do crime.

No entanto, nesta sexta-feira (24), a Justiça brasileira, através de Marco Aurélio Mello, ministro do STF – Supremo Tribunal Federal - concedeu a liberdade para Bruno. O habeas corpus já havia sido julgado procedente na ultima terça-feira (21), porém, somente teve sua divulgação e seu cumprimento realizado na última sexta-feira.

Antes de ganhar a liberdade, Bruno esteve em um presídio de Santa Luzia, região metropolitana da capital mineira. Lá, o ex-goleiro era responsável por carregar as chaves da própria cela. Bruno era uma espécie de segurança e trabalhava vigiando os detentos.

Publicidade

Nesse local, não existe uma vigilância especializada, são os próprios presidiários que fazem a segurança do lugar.

Neste presídio, os detentos podem trabalhar, fazer cursos profissionalizantes e também podem fazer o ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio, para tentar uma bolsa para nível superior.

Segundo Bruno, os presídios convencionais acabam transformando o detento em uma pessoa mais perigosa, ao invés de recuperá-la para que possa retornar à sociedade.

Recomeço

Durante uma entrevista à Globo Minas, Bruno afirmou que já pagou caro pelo seu erro e que não foi nada fácil esse período que passou na prisão. Mas, que não apagaria o passado, pois hoje consegue dar muito mais valor à vida.

Bruno também contou que pretende recomeçar sua vida, preferencialmente na área esportiva, ou seja, o futebol. Bruno disse que o futebol é o que ele realmente deseja como projeto de vida. #Casos de polícia