Uma tragédia em família de classe alta chocou vizinhos e amigos. Um homem matou sua mulher e depois se matou. O cenário foi o apartamento de cobertura muito luxuoso na região do Itaim Bibi, zona nobre de São Paulo.

A tragédia aconteceu neste sábado (25). A cobertura do casal fica no Condomínio Itaim Podium, na rua Bandeira Paulista, por volta de 16h. O homem, João Alberto Ferrão, de 64 anos, teria matado sua mulher, a advogada Renata Ferrão, 51 anos, a tiros. Posteriormente, ele teria se matado com a mesma pistola.

João Alberto ocupava cargo de direção e participava da sociedade na Rede Park, empresa do ramo estacionamentos.

Publicidade
Publicidade

A polícia ainda não tem maiores detalhes sobre a dinâmica e motivação do #Crime.

Sabe-se que o corpo da mulher estava caído no closet do quarto de casal, e o corpo do empresário encontrava-se na piscina da cobertura. Um amigo e vizinho do casal, Edson Natale, de 59 anos, radialista, afirmou a reportagem do jornal Folha de S. Paulo que se assustou ao saber da morte. Ao chegar em casa, foi informado por vizinhos da tragédia no seu condomínio e ficou muito comovido e chocado.

Segundo esse amigo, o casal tinha um excelente relacionamento, não parecia ter indício de problemas conjugais e nem financeiros. Os corpos já foram retirados do local e encaminhados ao IML (Instituto Médico Legal) para posterior preparativos para o enterro.

A polícia não identificou indícios de arrombamento, nem de luta corporal dentro do apartamento, o que reforça a tese de #homicídio seguida de #Suicídio.

Publicidade

Uma carta encontrada pela polícia na residência pode ser a chave para a solução da tragédia.

A carta é assinada por João Alberto e cita a empresa que é sócio. A carta ainda não teve seu conteúdo divulgado, mas segundo a reportagem da Folha, haveria instruções sobre a continuação e destino societário da empresa de estacionamentos.

A pistola que foi encontrada junto ao corpo de João Alberto será alvo de perícia para confirmação de se tratar da arma do crime. O inquérito está sob a alçada do 14º Distrito Policial (Pinheiros), mas será investigado pela 15º, delegacia responsável pela região do crime, o bairro de Itaim Bibi.