Desde a última sexta-feira (03), a cidade de Vitória no Espírito Santo, tem passado por uma onda enorme de criminalidade. O aumento absurdo da violência seria reflexo de uma #Greve realizada pelos Policiais Militares do município na semana passada. Com as ruas sem policiamento, os criminosos estão aproveitando e a situação está calamitosa. Somente neste último fim de semana, foram registradas cinquenta e uma mortes, o quíntuplo do que havia sido registrado em todo o mês de janeiro, quatro mortes, e no início de fevereiro até na semana passada, duas mortes.

O aumento da violência tem assustado a população que está com medo de sair às ruas por causa do número de assassinatos cometidos.

Publicidade
Publicidade

O registro feito pela Polícia Civil é de que oito indivíduos foram mortos no sábado, dezesseis no domingo e vinte e sente somente na manhã desta segunda-feira (06). O caso já foi repassado para o Governo Federal, pois o governador do estado do Espírito Santo declarou que a situação está incontrolável. Um pedido foi feito a presidente Temer para que as forças armadas se encaminhem para a capital para poder realizar a segurança das ruas, uma vez que a situação não pode se manter como está.

Além de Vitória, outras cidades também estão de greve, entre elas Guarapari, e Linhares, onde os policiais pedem por melhores salários e condições de trabalho. Pelo regimento interno da polícia os próprios agentes são proibidos de se manifestarem, então, os mesmos levaram seus familiares para a porta das corporações para realizarem o movimento.

Publicidade

Os parentes estão bloqueando a saída de viaturas e não permitem que elas saiam às ruas. No entanto, a situação está grave, e alguma coisa precisa ser feita. A capital, por exemplo, já vê reflexos da falta de policiamento. Devido ao aumento exorbitante do número de mortos, as escolas estaduais e municipais suspenderam o início do semestre letivo, e aguardam por uma resolução do estado. Além disso, os jogos de futebol que seriam realizados na capital também estão suspensos, assim como a vacinação contra a febre amarela.

De acordo com a secretaria de segurança pública do estado, não haverá negociações com os PM’s enquanto os mesmos não voltarem com todo o efetivo para o trabalho. Segundo o responsável, é irresponsabilidade dos profissionais. Ele reconheceu que existe sim a necessidade de melhoria para os agentes, mas que a população não pode ficar prejudicada em função da greve.

#Crime #Casos de polícia