Autoridades evitam falar, mas números extraoficiais, apurados pelo UOL, mostram que nos primeiros dias sem a polícia militar, em greve desde sábado, 4, pelo menos 75 pessoas teriam sido assassinadas com gravidade e 200 carros foram roubados. Os governantes ainda não tem dados oficiais e os poucos divulgados divergem com as imagens captadas pela população da região, que usa a internet para relatar o que estaria acontecendo no local. Há vídeos de moradores sendo assaltados em um ponto de ônibus e até de um homem, que após supostamente ter se negado a dar seu pagamento - que acabara de receber a bandidos - teve a sua cabeça cortada. Muitos desses crimes, pelo menos nesse instante, tem apuração de dificílima dificuldade.

Em entrevista ao UOL, um policial militar, sob a condição de anonimato, disse que foi orientado a não passar perto do quartel onde os demais PMs estão lotados.

Publicidade
Publicidade

Ele era o único soldado em serviço encontrado pela reportagem. No quartel, familiares dos militares impedem a saída deles, pois a #Crime econômica fez com que o governo atrasasse pagamentos e cortasse alguns benefícios. O governo considera a greve ilegal, mas ela parece não ter previsão de fim. Enquanto isso, o Exército está nas ruas para tentar ajudar a elevar o clima de confiança. Parece não ter adiantado muito. As reclamações de crimes continuam altas e o assunto é o principal das redes sociais.

Há relatos de saqueamento e bandidos passando perto de regiões residenciais, orientando que a população não saia de casa. O descaso não acontece apenas no ES. O Rio de Janeiro, por exemplo, também vive uma crise econômica sem precedências, mas priorizou a segurança.

Veja abaixo um vídeo que mostra uma loja sendo saqueada na grande Vitória:

A seguir, o leitor pode ver moradores da região sendo assaltados em um ponto de ônibus, além de outros crimes registrados nesses primeiros dias sem policiamento.

Publicidade

Na sua opinião, como a situação pode ser contornada? Deixe o seu comentário. Ele é sempre importante para todos nós.