O caso envolvendo o ex-goleiro Bruno teve repercussão em todo o país. Acusado de matar a amante, que também era mãe de seu filho, foi sentenciado a 22 anos de prisão, embora sempre tenha negado qualquer envolvimento com a morte de Elisa Samúdio. Atualmente, Bruno cumpre pena em Minas Gerais, em um presídio com diversas regalias e com tratamento diferenciado.

Na unidade prisional não existem carcereiros e nem mesmo policias, e cada preso é responsável pelo acompanhamento de outro detento. Bruno, inclusive, cuida das chaves de sua ala, e além de circular livremente pelas instalações, realiza atividades que envolvem o uso de ferramentas de corte e outros materiais que podem ser considerados perigosos.

Publicidade
Publicidade

Segundo a direção da unidade, o regime diferenciado visa proporcionar a recuperação dos presos, que em geral cumprem longas penas, e também de ressocializar os criminosos a partir de atividades que ocupem seu tempo e os façam refletir sobre os crimes cometidos.

Regime diferenciado desagrada internautas

A matéria sobre as condições do presídio foi publicada no site da Revista Veja e rapidamente tiveram repercussão, tanto na internet quanto nas mídias sociais, já que muitos consideram que o regime diferenciado se trata de uma regalia, e que assassinos condenados, como no caso de Bruno, deveriam cumprir sua pena em regimes mais rígidos.

Bruno, por sua vez, que aguarda a progressão de pena para que possa, no regime semi-aberto, inclusive voltar a jogar futebol, rebate as críticas e diz que esse sistema é muito favorável para a reabilitação dos detentos.

Publicidade

Afirma ainda que já passou por diversos outros presídios e que esse é um modelo de gestão e de oportunidade para os condenados.

Depois de ganhar notoriedade como goleiro e se tornar um dos principais jogadores do país nessa posição, atualmente Bruno é lembrado muito mais como um criminoso, e mesmo preso, sua conduta e comportamento ainda causam polêmica, ainda mais pelo fato de o corpo da modelo nunca ter sido encontrado e por ele negar seu envolvimento, embora as provas tenham concluído o contrário. #jogador #2017