Um jovem de 17 anos que havia sido internado desde o começo de fevereiro faleceu nesta terça-feira (14), depois de ter uma mangueira de ar inserida em seu ânus. O fato aconteceu durante uma “brincadeira” em um lava jato de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Ele estava há 11 dias hospitalizado na Santa Casa de Campo Grande, mas faleceu depois com uma parada cardíaca.

O ato contra o menino foi denunciado pela família após o rapaz ter sido abusado, na sexta-feira (03). O crime contra o jovem causou a perda da metade do intestino grosso. A polícia pediu a detenção preventiva dos acusados, que eram colegas de trabalho do rapaz.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a Polícia Civil, a família relatou em depoimento que o dono do estabelecimento havia ligado para eles, falando que tinha ocorrido “uns negócios” e que a vítima precisava ser levada urgentemente para o hospital. Segundo as investigações, o dono da lava jato teria inserido uma mangueira de compressão de ar no ânus do jovem enquanto um outro funcionário o segurava.

Os suspeitos disseram em depoimento que havia sido apenas uma "brincadeira" e que isso sempre ocorria entre os três. Eles alegaram também que o ato foi iniciado pelo próprio jovem no dia do crime. Os dois acusados de cometer o crime contra o rapaz são Thiago Giovanni Demarco Sena, o dono do estabelecimento, de 20 anos, e Willian Henrique Larrea, com 30 de idade. Eles foram ouvidos na DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), mas não foram presos.

Publicidade

Nesses 11 dias de internação, a vítima passou por duas cirurgias após ter perdido metade do intestino grosso por decorrência da agressão contra ele. O adolescente havia chegado ao hospital em estado grave e realizou duas cirurgias. O jovem havia saído do estado de risco de morte, mas voltou ao estado grave por decorrência de complicações no esôfago. Em entrevista, a mãe do adolescente declarou que busca justiça e quer que os suspeitos paguem pelos atos contra o seu filho.

O caso está sendo analisado como lesão corporal grave pela DEPCA. #2017 #Investigação Criminal