Uma fatalidade marcou para sempre uma família de turistas paranaenses que passavam férias em Bombinhas, Santa Catarina. O que deveria ser um dia divertido à beira-mar, na Praia de Bombas, virou um pesadelo.

Na última segunda-feira (13), pai, de 37 anos de idade, e o filho, de apenas 15, resolveram entrar juntos no água para se refrescar e não voltaram. Uma outra hipótese é que o mais velho tenha tentado resgatar o menor, que se desesperou com a correnteza.

Eles não teriam visto a sinalização que alertava para o perigo naquele trecho de mar. O local, que já é perigoso por conta de fortes correntes marítimas, ainda trazia mais riscos em função do mar revolto na ocasião.

Publicidade
Publicidade

Ambos foram arrastados pela correnteza e não conseguiram sair do ponto mais crítico. O pai, Edivan Rost, chegou a ser resgatado, mas já na areia não respondia às tentativas de salvamento aplicadas pelos bombeiros. Ele faleceu antes mesmo de ser encaminhado para o hospital.

Já o corpo de um adolescente foi encontrado apenas três dias depois, na última quinta-feira (16), no fim da tarde, na mesma praia do Litoral Norte catarinense.

Por todo esse tempo as equipes do Corpo de Bombeiros fizeram as buscas, mas houve dificuldades na operação justamente em função das condições adversas do oceano. Depois que Elian sumiu na água, além de botes, uma motonáutica e uma lancha foram usadas como suporte para as buscas. Em razão do mar agitado, somente na quinta foram possíveis operações com mergulho.

A família era residente da cidade de Pato Branco, no Paraná.

Publicidade

A mãe do garoto, que tem ainda uma outra filha, estava na praia e assistiu a tudo.

De acordo com os militares, Edvan foi velado e sepultado na última terça-feira (14). Já o menor foi encaminhado na quinta-feira ao Instituto Médico Legal (IML) do município vizinho a Bombinhas, Balneário Camboriú, também no Litoral Norte de Santa Cartarina.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 372 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no planeta. No ranking entre os países mais afetados por esse tipo de mortalidade, o Brasil aparece no terceiro lugar. #Crime #Casos de polícia